Vídeos

10/06/2017 08:26 G1

Vídeo mostra executivo da J&F entregando dinheiro a primo de Aécio

Segundo o Ministério Público Federal, R$ 500 mil em dinheiro eram destinados ao senador afastado. Defesa de Aécio diz que montante é fruto de empréstimo.

 
 
Vídeos aos quais o Jornal Nacional teve acesso com exclusividade mostram o executivo da J&F, Ricardo Saud, entregando dinheiro a Frederico Pacheco, primo do senador afastado Aécio Neves, do PSDB.

As imagens foram feitas pela Polícia Federal. A missão era acompanhar a entrega de parte dos R$ 2 milhões acertados entre o empresário Joesley Batista e Aécio.

Quem negociou a entrega do dinheiro foi o executivo da J&F Ricardo Saud. Segundo a PF, ficou combinado que seriam entregues quatro malas com R$ 500 mil cada uma a um primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, que já foi tesoureiro de campanha do senador.

A PF não acompanhou a primeira entrega, que aconteceu antes da JBS firmar o acordo de delação premiada. Mas o segundo encontro, sim. Foi no último dia 12 de abril. As câmeras de segurança da JBS mostram Fred entrando em uma sala na sede da empresa. Lá dentro, estava Ricardo Saud e uma das malas com R$ 500 mil.

No vídeo, as imagens mostram que o executivo checa se a porta da sala está fechada. Frederico apanha uma bolsa que havia trazido. Só que o dinheiro estava em notas de R$ 50, e não de R$ 100.

O volume todo não cabia na bolsa. Fred leva alguns maços e sai. Ricardo Saud puxa a mala ainda com dinheiro e acompanha Fred.
A polícia diz que a mala foi entregue então a Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella, do PMDB, mas não foi possível registrar este momento. Mais tarde, ainda de acordo com as imagens, Fred e Saud voltam à sala, conversam e Fred guarda na bolsa um maço que estava no bolso. Pouco depois ele vai embora.

No terceiro encontro, os investigadores filmaram a chegada de Fred ao prédio da JBS, desta vez com uma jaqueta e uma mochila nas costas.


Rodrigo Janot também se manifestou pela manutenção das prisões da irmã de Aécio, Andrea Neves, de Frederico Pacheco e de Mendherson Souza Lima.
 

Mais tarde, ele e Saud saem do prédio e vão ao encontro de Mendherson, que já estava esperando no estacionamento. Enquanto Fred coloca a mochila com dinheiro no carro, Mendherson cumprimenta Saud.
Depois, o ex-assessor parlamentar recebe um maço de dinheiro de Fred e o coloca no bolso. Eles se despedem, e Fred fica com Saud. Mendherson vai embora no carro, que a Polícia Federal ainda acompanhou na rodovia. Ele foi até Belo Horizonte no veículo.
De acordo com os investigadores, o dinheiro era destinado ao senador afastado Aécio Neves.
Com essas ações controladas, a Polícia Federal descobriu que R$ 480 mil foram escondidos na casa da sogra de Mendherson, em Nova Lima, Minas Gerais.
O ex-assessor contou à polícia que escondeu o dinheiro na véspera da operação Patmos. Ele levou os investigadores até o local, onde o valor foi apreendido. A maior parte do resto do dinheiro, no entanto, ainda está desaparecida.
 

Outro lado
 
A defesa de Aécio Neves reafirmou ao Jornal Nacional que o dinheiro foi um empréstimo oferecido por Joesley Batista para forjar um crime que permitisse ao empresário conseguir a delação premiada.


A defesa de Aécio declarou, ainda, que esse empréstimo não envolveu dinheiro público nem contrapartidas do senador afastado e que, por isso, segundo a defesa, não se pode falar em propina ou corrupção.


Os advogados de Frederico Pacheco e de Mendherson Souza Lima disseram que só vão se manifestar na Justiça.


A assessoria do senador Zezé Perrella, do PMDB, declarou que a análise dos extratos bancários comprova que nenhum real depositado em contas do senador é proveniente do montante que Mendherson Souza Lima recebeu.


A JBS declarou que segue colaborando com a Justiça.
 

Pedido de prisão
 
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reiterou o pedido de prisão preventiva de Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal. A defesa do senador afastado disse que refuta integralmente a denúncia e que tem convicção de que vai demonstrar a absoluta correção das condutas de Aécio Neves.


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo