09 de abril de 2020 - 01:17

Cultura

Projeto Colcha de Retalhos

O Projeto " Colha de Retalhos" está participando do Edital de Inclusão Socioprodutiva da Fundação Banco do Brasil-2020, visando continuar e ampliar  às ações previstas no projeto. No edital está previsto várias etapas, e uma delas é a elaboração de um vídeo que precisa ter 400 visualizações no YouTube, que vale 3 pontos que será agregado durante a avaliação do Projeto. 
Vamos compatilhar pessoal! Contamos com vocês!
O Projeto “Colcha de Retalhos", executado pela Associação Varzeagrandense Madre Tereza de Calcutá, (AVE-MATER) visa promover a profissionalização e a geração de renda para jovens e mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade socioeconômica, com ações de tecnologias sociais que valorizem o saber e a cultura local, fortalecendo as ações já implementadas (produção de colchas de retalhos) e ampliando a confecção de produtos artesanais colaborativos e sustentáveis (tapetes, jogo americano, almofadas, lingerie e outros)  
As oficinas de confecção de artigos artesanais com o reaproveitamento de retalhos de tecidos serão realizadas semanalmente com o público atendido pelo projeto e terão como base quatro dimensões da tecnologia social, sendo elas: Protagonismo social, Valorização da cultura local, Meio Ambiente e Desenvolvimento Comunitário. 
Diante do exposto, pode-se concluir que o projeto está de acordo com o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 12, que tem como tema “Consumo de Produtos Sustentáveis”, e realiza ações que impactam as pessoas, a comunidade e o planeta, com ferramentas economicamente viáveis, socialmente adequadas e ecologicamente corretas, além de oferecer acompanhamento do desenvolvimento pessoal, profissional e social do público atendido.
Há 15 anos a AVE-MATER desenvolve programas e projetos socioeducativos, que contribuem para a defesa dos direitos da criança e do adolescente e na promoção e autonomia de suas famílias, com ações articuladas e integradas com a escola, a comunidade e a rede intersetorial do município, em sintonia com as políticas públicas e construindo diálogo permanente com o território. Localizada na Vila São João, Várzea Grande-MT, atendendo diariamente 150 crianças e adolescentes que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco social, no contra turno escolar, na faixa etária de 6 a 14 anos, realizando Oficinas de Esporte, Oficinas de atividades artísticas e culturais Oficinas temáticas e lúdicas, Oficinas de Informática, Oficina de Cortes e Costura, Programa de alimentação saudável e Programa de Acolhimento e Orientações as Famílias e a Comunidade.
 
 

Lançamento do livro: “CRÔNICAS DO IMPERADOR” de Marcelo Pereira

Lançamento e Sessão de Autógrafos

Do livro: “CRÔNICAS DO IMPERADOR: Relíquias de dragão

Autor:Marcelo Pereira, escritor, biólogo e professor.

Dia: 21/Março/2020 às 19 h-

Local: Shopping 3 Américas,piso 01, frente à Piticas, Cuiabá/MT. 

O livro“CRÔNICAS DO IMPERADOR: Relíquias de dragão”,lançamento inédito da Umanos Editora, no gênero fantasia de literatura nacional, apresenta uma história intrigante que supera grandes enredos já publicados. Trata-se de uma ficção que instiga e surpreende o leitor coma narrativa de uma saga entre reinos primitivos e mundos diferentes na batalha por sobrevivência, que envolve poder e magia contidos em relíquias sagradas de dragões.Este é o primeiro volume de uma série, cujo enredo apresenta clãs sombrios obstinados, outros destemidos decididos a encontrarem relíquias de poder a qualquer custo, quebram protocolos, se reinventam, enquanto há também os que atuam com intuito de formarem uma sociedade intelectualizada.

Essa é a publicação de estreia do autor, obra que foi escrita toda a punho. O público vai percorrer uma jornada de heroísmo, enigmas, transformações, disputas, decepções, perdas, onde o preconceito, a ganância, a sedução e o poder imperam sobre mundos obscuros. 

Em mais de quatrocentas páginas de aventura e magia, o leitor é convidado a conhecer uma floresta milenar do mundo medieval, habitada por vilões e guerreiros vigorosos, onde a magia faz parte dos reinos. Lugar onde há seres destemidos que surgem de várias raças, dentre animais e feras híbridas. Eles possuem forças descomunais, usam a energia dos próprios corpos para transmutá-los, assim como o ar da órbita em torno deles, o que os tornam hábeis e ágeis para o combate. Nessa época remota, também vive uma parte oprimida, minoritária e alvo dos clãs sombrios e robustos, formada por seres humanos. Devido a fragilidade que eles possuem e incapacidade de absorver a energia do ambiente que vivem, são utilizados como alimento e para o trabalho escravo dos seres poderosos. 

Mas, é do recôndito das feras sombrias que surge a benevolência de outras espécies, em favor dos seres frágeis, devido a bondade percebida neles. É aí que o leitor vai conhecer a trajetória de guerreiros e vilões, cercada por muitos desafios e bravas lutas, além de descobrir como uma relíquia sagrada milenar pode ser a chave para revelações emocionantes. 

 O roteiro dissertado no livro é intrigante, repleto de aventura, muita ação e batalhas internas que podem fazer o leitor duvidar até das próprias escolhas quando deparar com personagens cativantes, tornando-o fascinado pelas histórias apresentadas por eles, um emaranhado de fantasias que não termina com desfecho previsível. O convite aos leitores é que se preparem para adentrar a essa egrégora de reinos que surpreenderá você em cada quinhão da saga, pois do Clã mais simples e menos preparado, poderá surgir o pior de todos os inimigos. Isso é o que oferece o primeiro volume da obra que apresenta apenas o começo de uma narrativa impactante, até então inimaginável para os leitores.

  

Título do livro: CRÔNICAS DO IMPERADOR: Relíquias de Dragão.

Autor: Marcelo Pereira.

Páginas: 420 / Edição: 1ª - / Formato: 15,5x22,5cm / Acabamento: Brochura.

Categoria: Fantasia, Ficção, Literatura Nacional.

Lançamento: Umanos Editora, Cuiabá: 2020. (www.grupoumanos.com.br)

Valor: R$ 65,00

 


LANÇAMENTO DO LIVRO "VALE POÉTICO" DE REGINALDO TEODORO

Lançamento e Sessão de Autógrafos

Do livro: “VALE POÉTICO

Autoria do poeta REGINALDO TEODORO, graduado em Pedagogia e pós-graduado em Psicopedagogia.

Dia: 19/março/2019 às 19 h

Local: Câmara Municipal de Vale de São Domingos, Vale de São Domingos/MT.

O livro “Vale Poético”, lançamento da Umanos Editora, foi escrito por Reginaldo Teodoro, homem simples, carismático, filho de agricultores,poeta de Vale de São Domingos. A obra propicia momentos que dão significados singelos a sentimentos, sonhos e fatos do cotidiano. É um compilado de poemas genuínos que apresenta um misto entre a contemporaneidade e a temporalidade do rural com a sofisticação do modernismo. O autor brinda os leitores com um conjunto de elementos poéticos que traduz o requinte de uma escrita dedilhada em vivências. Quem ler poderá conferir em cada poema, as belezas que coexistem no tabuleiro da vida.

A publicação deste livro representa a realização de um sonho do poeta Reginaldo Teodoro, que gosta de escrever poesias e se define como apaixonado pela vida. Há algum tempo foi impresso um livreto com alguns poemas dele. E um exemplar desse foi entregue ao Editor Leandro Doorneles, que após a leitura, juntamente com a equipe da Umanos Editora, resolveram realizar o sonho de transformá-lo em um livro com formatação ampliada, trazendo para os leitores, poemas inéditos. Assim surgiu a obra “VALE POÉTICO”.

 Serviço:

 Título do livro: Vale poético.

Autor: Reginaldo Teodoro

Páginas: 70 / Edição: 1ª - / Formato 14x 21 cm/ Acabamento: Brochura.

Categoria: Poesia, Literatura Nacional.

Lançamento: Umanos Editora, Cuiabá: 2020. (www.grupoumanos.com.br)

Valor: R$ 25,00

 

 


CAFÉ FILOSÓFICO

O MUSEU DE ARTE SACRA DE Mato Grosso, PROMOVE CAFÉ FILOSÓFICO.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso realiza no dia 20/03/2020 (sexta-feira), às 18h30, o Café Filosófico, com a participação da Museóloga Aluane de Sá, que tratará sobre o Plano Museológico, instrumento de planejamento estratégico para museus, conforme o Decreto Lei nº8.124, de 17 de outubro de 2013, Capítulo II. Em consonância com diretrizes das Políticas Públicas, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso está em fase de finalização de seu Plano Museológico e, para tanto, o convite para o próximo Café Filosófico será um diálogo sobre os passos necessários para seu desenvolvimento, bem como apresentar as ações e resultados alcançados até o momento.

O Café Filosófico é promovido pelo MASMT, em parceria com outras instituições e pesquisadores, e foi cuidadosamente pensado para propiciar um ambiente interativo, confortável e instigante para a participação da sociedade, trazendo temas que dizem respeito as pessoas e seu entorno, propondo um debate democrático e potente como forma de desenvolvimento do conhecimento.

Serviço: Café Filosófico - MASMT
Data: 20/03/2020
Horário: 18h30min
Local: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso
Inscrições Gratuitas: através do telefone (65) 3056- 1373 de quarta a domingo das 9h às 17h ou On Line pelo link: https://www.sympla.com.br/cafe-filosofico__815860


“MUSEUS EM DIÁLOGOS E CONEXÕES: AÇÕES EDUCATIVAS” 

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, por meio do Sistema Estadual de Museus em parceria com o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso convida você à participar do Encontro “MUSEUS EM DIÁLOGOS E CONEXÕES: AÇÕES EDUCATIVAS”. O encontro é uma oportunidade de formação para os educadores em museus e um momento de trocas de saberes, diagnósticos sobre a situação desses aparelhos, bem como um momento para planejar futuras ações.

Encontro “MUSEUS EM DIÁLOGOS E CONEXÕES: AÇÕES EDUCATIVAS” 

Data: 24 à 27/03/2020

 Horário: 18h30min 

Local: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso 

Inscrições Gratuitas: através do telefone (65) 3056- 1373 de quarta a domingo das 9h às 17h ou On Line pelo link: https://www.sympla.com.br/museus-em-dialogos-e-conexoes__815955

Programação 

24.03 Manhã

8h às 11h - Composição de mesa representantes (IPHAN, SECEL, SMCEL, UFMT, UNEMAT e MASMT); Tarde

13h às 17h - Oficina de formação do Sistema Estadual de Museu do Estado de Mato Grosso – Tema: Ação Educativa em museu com a museóloga do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso - Aluane de Sá;

 25.03 Manhã

8h às 12h - Oficina de formação do Sistema Estadual de Museu do Estado de Mato Grosso – Tema: Ação Educativa em Museu; 

Tarde

14h às 18h - Oficina de Formação do Sistema Estadual de Museu do Estado de Mato Grosso – Tema: Ação Educativa em museus;

 26.03 Manhã

8h às 12h - Diálogo com o Secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso – Allan Kardec e Representante do Sistema Estadual de Museus; 

Tarde

14h às 18h - Oficina de formação do Sistema Estadual de Museu do Estado de Mato Grosso – Tema: Ação Educativa em museu;

 27.03 Manhã

9h às 12h REMP –MT, Rede de Educadores de Museus e Patrimônio com a Prof.ª Dra. em história social Jocenaide Maria Rossetto Silva;

 Tarde

14h às 17h Fórum REMP – Rede de Educadores de Museus e Patrimônio

 

Serviço: Encontro “MUSEUS EM DIÁLOGOS E CONEXÕES: AÇÕES EDUCATIVAS” 

Data: 24 à 27/03/2020

 Horário: 18h30min 

Local: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso 

Inscrições Gratuitas: através do telefone (65) 3056- 1373 de quarta a domingo das 9h às 17h ou On Line pelo link: https://www.sympla.com.br/museus-em-dialogos-e-conexoes__815955


Editora abre inscrições gratuitas para Oficina de Escrita Criativa em Cuiabá

A Umanos Editora está com inscrições abertas para a Oficina de Escrita Criativa que acontece no dia 29 de março dentro da programação do 3º Contos do Mato - Arena Literária 300 anos, que acontece em Cuiabá. A Umanos existe há 8 anos e dissemina o conhecimento através dos eventos literários, atividades ligadas a leitura, produção literária e a disseminação do conhecimento.

A oficina acontece das  8h as 12h , no Salão Nobre do Palácio da Instrução e conta com 25 Vagas. De acordo com os oficineiros, Lucas Budoia e Nelilton Goes, a oficina tem como finalidade o desbloqueio criativo e apresentar as etapas da escrita e técnicas para desenvolver a criatividade. Essa é uma atividade que a  Umanos Editora já promove esta oficina há 04 anos, com os mais diversificados públicos, explica Neliton Gois, diretor de marketing da Umanos Editora. A carga horária de 04 horas é divida em dois módulos de 02 horas cada. O primeiro será ministrado por Neliton Gois, com a abordagem Escrita criativa e construção de cenários. O segundo módulo será ministrado por Lucas Budoia, diretor comercial/ financeiro da Umanos Editora, com a abordagem “Construção de personagens”. As inscrições podem ser feitas através do e-mail [email protected]com, onde os interessados devem enviar nome completo e um telefone para contato.

A Umanos também participa do Contos do Mato com a venda de livros, durante a sessão de autógrafos - Mercado do Livro, programada para o dia 28 de março, às 18h no Palácio da Instrução.

O Contos do Mato acontece de 24 à 29 de março no Palácio da Instrução em Cuiabá, e conta com uma extensa programação para todos os públicos. O evento foi contemplado no edital de patrocínio à cultura da Prefeitura de Cuiabá, através da Secretaria Municipal de Cultura, esporte e turismo e do Conselho Municipal de Cultura, via edital de apoio à Projetos Culturais. Durante o dia, das 8h até as 20h, acontecem as Contações de histórias, com narradores de todo o Brasil e do interior do estado de Mato Grosso. A noite, a programação dá espaço a mesas com escritores de Mato Grosso. No espaço os artistas e escritores estarão comercializando suas obras. No sábado (28), o período vespertino será todo dedicado à programação com os escritores no 'Encontro com o escritor'. Como programação fixa, de 25 à 27 de março, sempre às 8h e às 15h acontece o Pique-nique literário com Natália Górtz (MT) e Teatro Lambe-Lambe com o Coletivo Caixas no Caminho (MT). Encerrando o Contos do Mato, às 19h00, os narradores convidados realizam uma maratona de histórias. Ainda na programação, no dia 28 de março às 9h, acontece a Mostra de narrativas - Seja um Contador de histórias, que apresentará o resultado da Oficina "Seja um contador de histórias" ministrada por Alicce Oliveira, desde o dia 29 de fevereiro para um grupo de 50 educadores da capital e interior do estado de Mato Grosso. Participam do Contos do Mato, os artistas Natália Gortz (MT), Coletivo Caixas no Caminho (MT), Maurício Ricardo (MT), Jujuba e Ana (RJ), Cia Mapinguary (SP), Vinicius Rangel (MT), Theatro Fúria (MT), Cia. Malas Portam (SP), O Tapete Voador (PE), Danilo Furlan (PR), Keydson Costa (PA).

Serviço Oficina de Escrita Criativa:

Ministrantes: Neliton Gois e Lucas Budóia

Data: 29/03 – 8h as 12h | 25 Vagas

Local: Palácio da Instrução – Salão Nobre

Com emissão do certificado pela Umanos Editora.

Inscrições: [email protected]com

Fotos: Pedro Mutzenberg
...

AGENDA CULTURAL POR GILDA PORTELLA

 

BURGER FEST MT

O maior e mais gostoso festival do Centro Oeste, BURGER FEST MT, chega em sua 6ª edição em CUIABÀ.

Desafio devoradora e devorador Burger Fest MT- Concurso Melhor Hambúrguer – Concurso Melhor Batata McCain

Entrada e Estacionamento gratuito

Data: 13, 14 e 15/03 de Março .Horário: 17h as 00h

Local: Centro de Eventos do Pantanal Mais informações (65) 9 9217-2992

CÃO LATINO

Data: 11 de março Local: Cão Latino Bar

Quarta tem lançamento do Livro “No Limiar” e Pocket show do  Milton Guapo

Depois a noite segue com Kris Amorin, com o melhor do reggae nacional e pop rock

 Data: 11 de março Local: Cão Latino Bar

 

Data 12 de março Local: Cão Latino Bar

Quinta é dia de curtir o melhor do Blues, com um dos mais conceituados guitarristas do gênero no Brasil: João Fortes, que na ocasião se apresenta ao lado de Allan House!!! Imperdível!!!

 

Data 13 de março Local: Cão Latino Bar

Karola Nunes comanda o som nessa sexta-feira, com muita música brasileira, raggae, autorais e muito mais!!!

 

 Cavernas Bar 

Vem aí 𝐔𝐧𝐝𝐞𝐫𝐠𝐫𝐨𝐮𝐧𝐝 𝐑𝐞𝐬𝐢𝐬𝐭𝐞𝐧𝐜𝐞
Próximo sábado dia 14/03 às 22h.
O evento contará com a presença das bandas de Cuiabá MT: 𝐆𝐨𝐫𝐞𝐦𝐩𝐢𝐫𝐞, 𝐈𝐧𝐭𝐫𝐨𝐬𝐩𝐞𝐜𝐭𝐨, 𝐓𝐨𝐭𝐚𝐥 𝐃𝐞𝐬𝐚𝐬𝐭𝐫𝐞.
E pela primeira vez em Cuiabá diretamente de Duque de Caxias-RJ a banda 𝐕𝐄𝐋𝐇𝐎
Ingressos já estão a venda no 𝐂𝐚𝐯𝐞𝐫𝐧𝐚𝐬 𝐁𝐚𝐫
Antecipado 𝐑$𝟐𝟎
Na portaria 𝐑$𝟐𝟓
Produção 𝐔𝐧𝐡𝐨𝐥𝐲 𝐀𝐥𝐥𝐢𝐚𝐧𝐜𝐞

CINE DEBATE

Infância, juventude e representação na mídia' é o tema do Cine Debate sobre o curta “Dúdú e o lápis cor da pele” (direção de Miguel Rodrigues) que o OPS - Observatório sobre Publicidade e Sociedade da UFMT realiza no próximo dia 11 de março, às 19h, no SESC Arsenal!

DEBATEDORAS: Andressa Vaz: Publicitária graduada na UFMT- Neusa Baptista Pinto: Jornalista, autora do livro 'Cabelo ruim?'- Cátia Almeida: Professora do IFMT

DATA: 11 de março, 19h LOCAL: SESC Arsenal

CINE TEATRO CUIABÁ

DATA 14 MARÇO LOCAL: CINE TEATRO CUIABÁ

O espetáculo Bereu é resultado das pesquisas de mais de dez anos de convivência com as mulheres do presídio feminino Ana Maria do Couto May em Cuiabá-MT, onde realiza oficinas de teatro, dança e figurino. BEREU é uma gíria usada nas prisões que significa “bilhete, recado, carta” entre as pessoas presas e também com o mundo aqui fora.Ingressos: R$ 30,00 (inteira) R$ 15,00 (meia)

 

DATA 14 MARÇO AS 19 H  LOCAL: CINE TEATRO CUIABÁ

Em 2020 Nico e Lau completam 25 anos de dupla. É uma longa história de luta, conquistas e busca de consolidação no mercado. Uma carreira artística de longa duração só pode ser construída com a gentil conivência do público consumidor. Cada meta alcançada representa um passo a mais na difícil missão de se estabelecer no mercado. Para comemorar toda essa longevidade a Nico e Lau Produções apresenta mais um sucesso no mercado de entretenimento o seu 26º show da carreira, CANHAIN, mais um acontecimento que você não pode ficar fora.

DATA 15 MARÇO AS 20 H  LOCAL: CINE TEATRO CUIABÁ

Um show em comemoração aos 20 anos da personagem mais amada e polêmica de Mato Grosso: Almerinda George Lowsbi. Interpretada pelo ator André D' Lucca, a milionária emergente, que foi casada e amante de diversos políticos, ficará de frente com gestores públicos e parlamentares para falar da vida política e pessoal, em formato de stand up

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) R$ 20,00 (meia) Meia solidária R$ 20,00 + 1kg de alimento

DATA: 16/03 19h LOCAL: Cine Teatro Cuiabá | Gratuito

Nesta edição, o Encontros com a Cultura, apresentaremos o tema: Planejamento e Gestão Cultural, com Claudia Leitão (CE) Economista, Pesquisadora foi Secretária da Cultura do Estado do Ceará, com o  Programa “Cultura em Movimento: Secult Itinerante”, criado em sua gestão, que lhe rendeu o primeiro lugar do Prêmio Cultura Viva, do Ministério da Cultura (MinC), na categoria “Gestão Pública”. E apresentações artísticas dos Pontos de Cultura Ciranda e Art Cidadã. 

http://www.bit.ly/encontro_cultura    INSCRIÇÕES ONLINE - COM CERTIFICAÇÃO

 

ESPAÇO GARDEN

Roda de Samba – Mariana Borealis e Rodrigo Mendes

DATA: Sábado 14/03  LOCALEspaço Garden, a partir das 20h.

Escola de Palhaço 2020 - Operação SóRia

Inscrições abertas!!! Solicite já sua ficha de inscrição enviando um e-mail para [email protected]

E tenha mais informações.


FUZUÊ BAR E BOÊMIA

DATA: 11/3 a partir das 20h, LOCAL: Fuzuê Bar - Praça da Mandioca - Rua Governador Rondon, 737, Centro

O Pedro Oleare Trio recebe o trompetista Levi Barros p uma noite de Choro e Jazz 

Pedro Oleare: guitarra

Thiago Costa: bateria

Paulinho Nascimento: baixo

GABINETE ANTES DO CAFE

DATA: 14 de Março LOCAL: Gabinete Antes do Café INFORMAÇÕES 9 9261-9394

DATA: 14 de Março LOCAL: Gabinete Antes do Café INFORMAÇÕES 9 9261-9394

 Geronimo West Music

Resenha das Irmãs Silvas

Data: 13 de Março  Local: Geronimo West Music

Data: 14 de Março  Local: Geronimo West Music

KARTELL ROCK CLUB

METADE CHEIO

 

QUA/11_Bora marcar o happy que a promo é garantida: das 18h às 21h é só $10 a garrafa de 600ml de Eisenbahn (puro malte);⁣

QUI/12_No quintal vamos ao segundo encontro do clube de leitura @lupusinutero, dedicado exclusivamente ao livro "Mulheres que correm com os lobos", de Clarissa Pinkola Estés. Nesta quinta o mergulho é na história do Barba-azul, a partir das 19h, com entrada livre - mais informações você encontra no perfil oficial do @lupusinutero;⁣

SEX/13_Sexta agora somos o lugar ideal para seu esquenta: a entrada é gratuita e no som rola um house & disco bem de-lí-cia pra chacoalharmos o corpitcho enquanto saem nossos comes e bebes caprichados, numa playlist feita especialmente pra cá por @eusweel;⁣

SÁB/14_E no sábado fechamos a semana com a feirinha mais divertida e consciente do pedaço: o @mercadodaspulgascuiaba. Este é um evento para a circulação de usados, cuja inscrição (para expor) é feita previamente e a visitação é livre. Sugerimos vir sempre com uns troquinhos no bolso e aquela ecobag esperta debaixo do braço, bel

MUNDARÉO

DATA 11 DE MARÇO LOCAL MUNDARÉO 

 MUSEU RONDON

 Musiva

 

Israel Novaes e PH & Michel na Musiva

Data: 15 de Março Local: Musiva

PALÁCIO DA INSTRUÇÃO

Que tal colar com a gente no primeiro 'Arvinte Diálogos'?

Medindo a nossa conversa, a doutora em Artes Cênicas e Mestre em Cinema, Marithê Azevedo, vai apresentar alguns dos conceitos das ocupações socioestéticas, trazendo como plano de fundo as intervenções poéticas vistas em Cuiabá desde 2009.

É hora de pensar nas conexões entre arte e cidade! Então anota aí: dia 15 de março, a partir das 14h, no Palácio da Instrução.

Lembrando que a entrada é gratuita, sem necessidade de inscrições prévias e livre para todos os públicos.

RANCHO PUB 

Poperia Summer 2 | Futebol de Sabão | Piscina Free

Data: 14 de Março  as 23 h  Local: Rancho Pub

TABULEIRO DA PEROLA NEGRA 

 

DATA 10 A 12 DE MARÇO LOCAL: TABULEIRO DA PEROLA NEGRA RUA AROEIRA, 210, JARDIM GRAMADO 

 

DATA 13 DE MARÇO LOCAL: TABULEIRO DA PEROLA NEGRA RUA AROEIRA, 210, JARDIM GRAMADO 

DATA 14 DE MARÇO LOCAL: TABULEIRO DA PEROLA NEGRA RUA AROEIRA, 210, JARDIM GRAMADO 

Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros

Data: 14 de março  Local: Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros

ARVEND - Associação de Mulheres Empreendedoras de Mato Grosso E BLESS AGENCY estará realizando o 1° Congresso Mulher Poderosa que tem como tema central: “Nasci para ser amada e não Abusada”.

O evento é para toda família, além de palestras, depoimentos, terá ainda teatro e música.A entrada é apenas 2 Kg de Alimentos não perecíveis que serão destinados à doação. Faça sua inscrição no link: *https://www.sympla.com.br/congresso-mulher-poderosa__789069

Ultramacho Circuito Morro Da Cachoeira e Águas Do Cerrado

Data: 14 e 15 de março  Local: Serra de São Vicente

Sábado, 14 de março de 2020

Ultrabike 30K

Ultrabike 60K

Duathlon

Domingo, 15 de março de 2020

Trail Run (Corrida em Trilha) 6k

Trail Run (Corrida em Trilha) 12k

Trail Run (Corrida em Trilha) 21k

 

Vozz Club

 

ANNA -Data: 13 de Março Local: Vozz Club

Anna, que atingiu o maior patamar do Underground mundial, Headliner dos maiores festivais do mundo. Se apresenta nesta noite, que possivelmente será a última chance de vê-la, no Club.

Line Up:23:00 RODS NOVAES 02:00 ANNA  04:30 THE MUHAMMADS  Lights: LYLLO

Baile da infernal Data: 14 de Março Local: Vozz Club

O tradicional baile das atléticas, que acontece mensalmente no club, traz no mês de MARÇO, a Atlética INFERNAL, do curso de Comunicação e Artes da UFMT.

Line Up:

23:00 MIAGY 02:00 RAPHA MARTINELLI 04:00 LC JUNIOR Lights: LYLLO

 


Classe cultural prestigia entrega da obra e aprova revitalização

Artistas, produtores culturais, autoridades e público da Casa Cuiabana prestigiaram a entrega da obra de revitalização do equipamento cultural, nesta segunda-feira (02.03), em uma noite marcada por um clima de satisfação e nostalgia. Entre eles, o cantor e compositor Pescuma, que se apresentou com Henrique, Claudinho e convidados.

“É uma honra estar novamente neste palco que eu já pisei tantas vezes, esse patrimônio da cultura mato-grossense, agora lindo e revitalizado. Casa Cuiabana é tradição, ponto de encontro, história. Artistas, população, todos ganham com a entrega da obra”, disse o cantor.

Nessa atmosfera de sarau, com encontro de músicos de todos os gêneros no palco do teatro de arena, e apresentações de dança pelo quintal, o governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), Allan Kardec Benitez, fizeram a entrega oficial da obra e apresentaram o novo projeto de ocupação do espaço cultural.

“Este é um trabalho de resgate e valorização da cultura mato-grossense. Revitalizar a Casa Cuiabana é preservar nossa identidade, nossa história, nossas referências. E cuidar da cultura também é fazer o Estado avançar”, enfatizou o governador.

O clima de nostalgia marcou uma das integrantes da família que foi proprietária do imóvel. Pensylvânia Borralho é da terceira geração, ela conta que ouvia histórias do pai que passou muitas tardes visitando a tia naquele quintal cuiabano. “Estou emocionada por ver que o intuito da família está sendo cumprido, que é esse uso do espaço para a valorização da cultura cuiabana”.

Em 2019, o espaço recebeu um público de 7.137 pessoas, alcançadas em eventos, cursos, exposições, ensaios e visitas. Durante a cerimônia de entrega, o secretário Allan Kardec apresentou o novo projeto de ocupação do espaço. A proposta é fazer da Casa Cuiabana um equipamento destinado à criação artística e co-working.

Além de ser aproveitado para os eventos e projetos de formação cultural, haverá salas equipadas para ensaios e apresentações de teatro e de dança e estúdio de som para gravação de música, além de todas as salas que receberão ar condicionado. Outra melhoria será no teatro de arena, que receberá uma tenda para ser usada em shows abertos, cobrindo a área quando houver necessidade.

“Estou muito feliz com o resultado, a Casa Cuiabana é um espaço emblemático, presente na memória da população cuiabana, é a casa da comunidade, dos artistas. Com a entrega da obra as ações aqui serão potencializadas”, disse o secretário Allan Kardec.

Benedito Nunes

Em memória ao artista plástico Benedito Nunes, que faleceu nesta segunda-feira (02.03), mesmo dia de entrega da obra de revitalização da Casa Cuiabana, seu legado e importância para a cultura mato-grossense foram lembrados na cerimônia. E duas obras (uma pintura e uma escultura) do artista ficaram expostas no jardim da Casa Cuiabana, durante todo o evento.

“Hoje foi um dia feliz e triste para a cultura mato-grossense. Entregamos mais um patrimônio cultural revitalizado, a Casa Cuiabana, tradicional espaço público de resistência cultural, no mesmo dia em que perdemos um grande artista, Benedito Nunes, vanguarda da resistência nas artes plásticas, cuja obra é um legado de sua presença entre nós. A reinauguração da Casa Cuiabana se torna, assim, um tributo à vida e obra deste grande cuiabano”, destacou o secretário Allan Kardec.

Abalados com a notícia da morte do amigo, artistas e produtores culturais decidiram ali mesmo pela realização de um sarau em prol da família. A data ainda será definida e o evento será na Casa Cuiabana. Até o momento, 20 obras já foram doadas para um leilão.

Obra na Casa Cuiabana

Após 10 anos sem receber uma obra completa de manutenção predial, a Casa Cuiabana foi revitalizada, com melhorias realizadas na infraestrutura. Entre elas a acessibilidade, instalações elétricas, hidráulica, esquadrias, cobertura, banheiros, forro, pavimentação, piso antiderrapante, praça, substituição do madeiramento e jardim. Uma das mudanças perceptíveis é a nova pintura, em tom de amarelo na fachada, que busca trazer a cor original da edificação, construída no século 18.

Patrimônio histórico e cultural desde 1983, vale ressaltar que a obra de revitalização respeitou e preservou as características originais do prédio. A novidade é o acesso à internet, que era uma demanda antiga dos usuários do espaço cultural, e agora será disponível para o desenvolvimento dos projetos.

Mesmo com a obra, que durou em torno de quatro meses, a Casa Cuiabana ficou aberta, e manteve a programação de eventos e projetos de formação de música, teatro, dança, informática, artes plásticas e capoeira.

Programação

Para o mês de março, há três eventos programados: Feira de Mulheres Empreendedoras (07.03), evento de capoeira (14.03) e Feira do Vinil e de Antiguidades (21.03), todos aos sábados. Também está aberta para o público a exposição Irigaray – Arte – Ikuiapá, com obras inéditas do artista, até o dia 07 de março.


Casa Cuiabana é revitalizada e obra será entregue nesta segunda-feira (02/03)

Após 10 anos sem receber uma obra completa de manutenção predial, o Centro Cultural Casa Cuiabana começa 2020 oferecendo melhor infraestrutura para os artistas, produtores culturais e público. O espaço, que é muito utilizado em projetos artísticos de formação cultural e eventos, foi revitalizado, e a obra será entregue nesta segunda-feira (02.03), às 19h, pelo governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), Allan Kardec Benitez. A cerimônia contará com apresentações artísticas de dança e música, e é gratuito para a população. A atração especial será um show do trio Pescuma, Henrique e Claudinho, comemorando 25 anos do grupo.
A cerimônia será marcada pelo lançamento do novo projeto de ocupação da Casa Cuiabana, aproveitando nove salas como espaços de criação artística e co-working. O superintendente de Políticas Culturais da Secel, Jan Moura, explica que, entre as melhorias, serão instalados novos equipamentos de som e iluminação para propiciar um ambiente adequado aos ensaios e apresentações de teatro e dança, por exemplo. Também será montado um estúdio de gravação musical e, no quintal cuiabano, haverá uma tenda para os shows abertos, cobrindo a arena quando houver necessidade.
 
Entre as melhorias já realizadas na infraestrutura do prédio estão acessibilidade, instalações elétricas, hidráulica, esquadrias, cobertura, banheiros, forro, pavimentação, piso antiderrapante, praça e jardim. Uma das mudanças perceptíveis é a nova pintura, em tom de amarelo na fachada, que busca trazer a cor original da edificação, construída no século 18. Patrimônio histórico e cultural desde 1983, vale ressaltar que a obra de revitalização respeitou e preservou as características originais do prédio. A novidade é o acesso à internet, que era uma demanda antiga dos usuários do espaço cultural, e agora será disponível para o desenvolvimento dos projetos.
Mesmo com a obra, que durou em torno de quatro meses, a Casa Cuiabana ficou aberta, e manteve a programação de eventos e projetos de formação de música, teatro, dança, informática, artes plásticas e capoeira. Para o mês de março, o espaço já tem programado três eventos (Feira de Mulheres Empreendedoras (07), evento de capoeira (14) e Feira do Vinil e de Antiguidades (21), todos aos sábados). Também está aberta para o público a exposição Irigaray – Arte – Ikuiapá, com obras inéditas do artista, até o dia 07 de março.
Assessoria de Comunicação 
Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel/MT)
(65) 3613 0225
 

OPERA ORQUESTRA – Dança e música em um só espaço

Inaugura neste mês de março um novo conceito em educação e produção de espetáculos multiculturais em nossa capital matogrossense - Cuiabá. Fruto da fusão de duas grandes vertentes da arte, dança e música, alinham se para a produção da Orquestra Opera dois grandes profissionais da área: Veronica Weber e Fernando Pereira. A primeira, líder na formação e produção de espetáculos de dança em nossa capital, idealizadora do Ópera Ballet, o segundo, um dos mais proeminentes nomes da música de concerto da região, sócio proprietário do Instituto Fernando Pereira (IFP). A proposta é a formação, desde a sua mais elementar educação musical e corpórea à mais tradicional e excelência técnica da dança e da música de concerto, constituindo assim, uma grande Orquestra com o mais exímio corpo de baile e instrumentistas musicais.

O Ópera Ballet nasceu para o mundo da dança em fevereiro de 2000, através das experientes mãos de Verônica Weber. A professora e bailarina, natural de São Paulo, é dona de um extenso e importante curriculum, com longas passagens internacionais. Aos 15 anos, partiu para um período de dois anos na Inglaterra, onde aprimorou seus estudos de ballet clássico numa das mais importantes escolas do mundo. De volta ao Brasil, ingressou no Ballet de Câmara de São Paulo, ficando por lá até a sua volta à Europa para integrar a companhia Deutsh Oper Am Rhein. Dez anos mais tarde, agora no posto de primeira bailarina do ballet da cidade de Trier, na Alemanha, Verônica resolve pegar o caminho de volta à casa. Fixa-se em Curitiba e por fim em Cuiabá. Em fevereiro de 2000 inaugura o Ópera Ballet. Hoje, com mais de 18 anos de experiência e atuação, a instituição coleciona prêmios nacionais e internacionais dentro da atuação no ballet classico, jazz, hip-hop e outras vertentes.

 

Não muito diferente, porém agora no universo da música de concerto, Fernando Pereira, idealizador do IFP, também guarda um invejável currículo. Natural de Americana, interior de São Paulo, iniciou sua formação superior em música pela Universidade de São Paulo USP. Em reconhecimento ao seu talento, aos 20 anos recebeu um convite para integrar a tradicional escola soviética de violino de Leonnid Kogan - conservatório de Moscow, sob a orientação da violinista de renome internacional Evgenia Maria Popova. Durante sete anos no leste europeu, na Academia Nacional de Sophia - Bulgária - Fernando foi solista junto a diferentes grupos orquestrais, interpretando compositores tradicionais europeus e brasileiros.  Após seu mestrado em performance musical, também realizado na Europa, retorna ao Brasil mudando se imediatamente à Cuiabá a convite da então Orquestra do Estado de Mato Grosso. Fundador da Sociedade Cultura Musical, posteriormente Instituto Fernando Pereira, mantém hoje um programa de difusão cultural no estado por meio de grupos distintos de música de câmara e orquestral, apresentando se em programas do SESC, Secretaria de Cultura do Estado, além de projetos próprios tanto na capital e interior.

 

Como professor, também coleciona méritos. Seus alunos se destacam no cenário nacional e internacional, sendo a mais proeminente deles, Lindi Mariane, convidada para participação em concerto na Rússia, República Tcheca e EUA, além de orientar outros tantos que em todo o Estado de Mato Grosso ocupam os melhores rendimentos e maiores cargos no protagonismo musical. Atualmente também é diretor artístico da Orquestra SESI Mato Grosso, bem como músico efetivo da Orquestra Sinfônica de UFMT. 

Trata se assim de um super time de profissionais e de uma grande proposta que, de fato, marcará a presença de nosso estado na produção e formação cultural em dança e música. Vale lembrar que, com a Opera Orquestra, Cuiabá entra para o rol das poucas capitais brasileiras que manterão produções de dança e música enquanto parte de suas atrações anuais de entretenimento, arte e cultura. Quem quiser fazer parte, aprender um instrumento, ou participar do corpo de baile e ou musical, pode saber mais informações se direcionando ao Opera Ballet Unidade Jardim Itália  R. Tivoli, Nº 130 - Jardim Itália, Cuiabá - MT, ou ligar para (65) 2136-6504.


"Vivendo de Amor" com Bell Hooks no Coletivo Negro da UFMT

O Coletivo Negro irá realizar um Grupo de Estudos no qual ira discutir o texto "Vivendo de Amor" da filósofa e escritora Bell Hooks.

É importante que compareça  com a leitura do texto para que possa ter um diálogo produtivo e conversar sobre outras questão relacionadas ao texto..

Será na próxima segunda-feira (02/03/2020), no Auditório 334 do Instituto de Educação - IE/UFMT às 18h00.

No link abaixo vocês podem ter acesso ao texto.

http://www.olibat.com.br/…/Vivendo%20de%20Amor%20Bell%20Hoo…

É o encontro e na troca de vivências que nos fortalece. Participem e tragam seus amigos e amigas!

Esse será o primeiro Grupo de Estudos do Coletivo Negro Universitário da UFMT, temos uma programação de datas já definidas , 27 de abril, 25 de maio, 29 de junho e 27 de julho. Demais informações como textos, local e mediadoras/es estaremos divulgando através de nossas redes sociais. Instagram @cnuufmt e Facebook: Coletivo Negro Universitário da UFMT, Email para contato: [email protected]com
A mediação será pela Beatriz Santos Passos, Graduanda em Jornalista na UFMT e colaboradora do coletivo Com_texto e Elli Maria, Graduanda em Filosofia na UFMT e assistente de serviços gerais na rede municipal de educação.

Coletivo Negro Universitário - UFMT

 

 

 

Bell Hoohs 

Com uma vasta produção (possui mais de 30 livros, o que inclui obras infantis), a feminista, escritora, crítica cultural e ativista estadunidense é pouco conhecida (e traduzida) no Brasil para além dos círculos de organizações acadêmicas e de movimentos de mulheres negras. Porém, há um crescente interesse pela obra de hooks que fornece elementos fundamentais para a compreensão de questões conectadas ao debate de raça gênero e classe.

bell hooks nasceu em 1952 em Hopkinsville, uma cidade rural do estado de Kentucky, no sul dos Estados Unidos. Batizada como Gloria Jean Watkins, adotou o nome pelo qual é conhecida em homenagem à bisavó, Bell Blair Hooks. Formou-se em literatura inglesa na Universidade de Stanford, fez mestrado na Universidade de Wisconsin e doutorado na Universidade da Califórnia. Seus principais estudos estão dirigidos à discussão sobre raça, gênero e classe e às relações sociais opressivas, com ênfase em temas como arte, história, feminismo, educação e mídia de massas. É autora de mais de trinta livros de vários gêneros, como crítica cultural, teoria, memórias, poesia e infantil.

Na infância, estudou em escolas públicas para negros, pois nos Estados Unidos ainda havia escolas que praticavam segregação racial. Na adolescência, quando passou para uma escola integrada, viveu a discriminação de ser minoria numa instituição onde tanto os professores quanto os alunos eram majoritariamente brancos.

De família numerosa — cinco irmãs, um irmão –, pertencente ao que os norte-americanos chamam de classe trabalhadora, bell hooks usou a própria vida, a vizinhança e a escola como fontes dos seus primeiros estudos sobre raça, classe e gênero, sempre buscando nesses três elementos os fatores da perpetuação dos sistemas de opressão e dominação. Seja de brancos contra negros; de homens (mesmo negros) contra mulheres; de ricos contra pobres.

Observadora sagaz da realidade, bell hooks é capaz de escrever palavras que doem como um soco no estômago, mas que são ditas com grande convicção, sinceridade e um estilo inconfundível. Já foi premiada com um The American Book Award, um dos prêmios literários de maior prestígio dos Estados Unidos. Entre as influências da autora, além de Martin Luther King, Malcom X e Eric Fromm, figuram as teorias de educação defendidas pelo brasileiro Paulo Freire.

Foi durante a faculdade que bell hooks começou a escrever seu primeiro livro, Ain’t I A Woman [Eu não sou uma mulher], publicado em 1981. Onze anos depois, o site Publishers Weeklyespecialista no ramo de publicação literária, avaliou Ain’t I A Woman como um dos vinte livros mais influentes escritos por mulheres nos vinte anos anteriores.

 

Assim como outras mulheres negras, hooks apontou que o feminismo mainstream focava em um grupo seleto de mulheres brancas, com ensino superior, de classe média e alta, centradas em ideais românticos de liberdade e igualdade. Ela percebeu que as mulheres negras se encontravam em um dilema: apoiando o movimento feminista, precisavam abdicar das discussões raciais, e lutando pelos direitos civis estavam à mercê do patriarcado que o dominava.

A escritora sofreu uma série de críticas durante a sua carreira, sendo acusada inclusive por outras feministas de não ser “acadêmica o suficiente”. Isso porque hooks não se submetia aos padrões tradicionais da academia, na intenção de tornar o seu trabalho acessível para todos. Daí também seu grande interesse pela educação — sobretudo pela educação das pessoas negras, historicamente privadas da academia.

“Muitas vezes, as feministas brancas agem como se as mulheres negras não soubessem que houve opressão sexista até que elas expressassem o sentimento feminista. Eles acreditam que forneceram às mulheres negras ‘análise’ e ‘o’ programa de liberação”, escreveu bell hooks. “Eles não entendem, nem imaginam, que as mulheres negras, bem como outros grupos de mulheres que vivem diariamente em situações opressivas, muitas vezes se tornam conscientes da política patriarcal de sua experiência vivida à medida que desenvolvem estratégias de resistência — mesmo que isso não seja feito de forma sustentada ou organizada.”


Lançamento do Videoclipe de Karola Nunes - Tá Vendo Seu Moço? por Gilda Portella

Lançamento do Videoclipe de  Karola Nunes - Tá Vendo Seu Moço?

No dia 20/02 tem lançamento do novo videoclipe de Karola Nunes no Metade Cheio.

Os produtores do clipe estarão recebendo convidados e visitantes, numa troca de experiências do processo criativo.

Uma instalação lembrará o cenário do clipe criando a atmosfera da gravação, e Exposição dos figurinos criados pelo Coletivo TAFETADAH (Einstein&Edu&Hugo), com sorteio de brindes surpresa dos  parceiros e discotecagem  com a Velcre-se e Bicha Sound System.

Para esse evento especial, a entrada será de dez reais, para os criativos do vídeo. l’argent e afeto, eis o que nutre as novas estrelas do cenário artístico cuiabano.

 Dia 20/02 no Metade Cheio as 19:30 h

Para a criativa Karola: “o clip é da canção “Tá vendo seu moço?” que é a primeira musica do CD. O vídeo é produção  independente, feito por amigos, artistas independente, gente querida da terra, (Cuiabá e Mato Grosso) realizado de forma  colaborativa, que nos favoreceu numa produção de baixo custo.”

O resultado é fruto desta dedicação, da entrega criativa de cada um, “Onde a gente junto um monte de gente; gente que a gente acredita no trabalho, que a gente confia e falou vambora fazer o Melhor. E todos se empenharam num resultado bonito, generoso. O clip está lindo.” 

Aconteceu que gente criativa atrai os afins, que se afinizam gerando uma atmosfera criativa e geradora de um produto com qualidade excepcional. Todos atendendo ao chamado da arte e da vontade de fazer o novo, de fazer arte participativa, generosa, colaborativa, que nos enriquece a todos.

Karol acredita produzir arte como produto politicamente consciente no contexto social, econômico do Brasil “é uma tentativa de mostrar, que tem gente muita boa (competente) aqui em Cuiabá, produzindo arte tal como este clip que milita na questão de artista independente no cenário gay, no cenário negro.”

A artista Karol finaliza: “Vivemos um momento político difícil para o publico gay, onde existe ordem expressa do presidente da republica, para que não seja apoiado sem incentivados trabalhos da temática LGBTQIA+”. Nossa presença, nosso trabalhos é resiliente, é resistente, aqui estamos e aqui ficaremos, produzindo, criando, “uma arte de qualidade e não adianta negar nossa existência”. Nossa arte é provocativa, é instigante, é desafiadora da mesmice e é desinstaladora. Enfim “a gente ta aqui produzindo e (re) existindo” 

Ficha técnica:

Direção: Juliana Segóvia e Pedro Brites

Roteiro: Pedro Brites

Direção de Fotografia: Rosano Mauro Jr.

Assistente de Câmera: Marcelo Sant'Anna

Assistente de Iluminação e Efeitos Cênicos: Karina Figueredo

Gaffer: Jean Carlos 'Batata'

Montagem: Juliana Segóvia e Pedro Brites

Color e Finalização: Marcelo Sant'Anna

Produção Executiva: Larissa Sossai

Direção de Produção: Luiza Raquel

Produção: Isabela Sanders

Direção de Arte: Amanda Nery Figueiredo e Fred Gustavos

Direção de Coreografia: Filipe Breno Vinhas

Dançarines: Filipe Breno Vinhas, Geovane Rodrigues e Lupita Amorim

Styling: Eduardo Solano, Einstein Halking e Hugo Alberto

Beleza: Álison Rangel

Still: Fred Gustavos

Making of: Júlia Muxfeldt

Ilustrações: Hugo Alberto

Membros da Banda:

Paulinho Nascimento - baixo
Augusto Krebs - guitarra
Rominho Moreira - bateria
Virgílinho Ribeiro - percussão

 

Karola Nunes por Karol

FAZER MÚSICA, PARA ELA, É O MESMO QUE SER, É A ÚNICA MANEIRA DE EXISTIR.

Nativa do cerrado mato-grossense, canta, compõe, toca, semeando seu terreno musical em diversas paisagens sonoras. Talvez suas primeiras lembranças sejam o som do afeto que ecoava no peito materno e as batidas do pai no couro do pandeiro.

Graduada em Música, integrou diversos projetos musicais trabalhando do samba ao reggae, do baião ao maracatu. Um recorte do seu fazer musical é retratado no documentário “Contrato Musical” (2015) de Perseu Azul, contemplado pelo Prêmio de Circulação SESC Amazônia das Artes (2016). Em 2015, teve um vislumbramento para sua carreira solo a partir da Mostra de Música do Sesc Mato Grosso, circulando com o show “Somos Som” com direção musical de Nelson Faria. O mesmo show foi contemplado por edital de circulação da Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso, garantindo também a gravação do seu primeiro álbum, "Somos Som", com produção musical de Gustavo Ruiz.

Em sua bagagem traz premiações de suas composições em festivais de música, além de premiação como Melhor Trilha de Teatro do Festival Velha Joana, com o Espetáculo "No Quintal, o Mundo". Vencedora do concurso de Novos Talentos da TV Centro América (filial mato-grossense da Rede Globo) lançou como premiação, seu primeiro EP: “Já é”, acompanhado do clipe de mesmo nome. No ano de 2018 foi selecionada para compor a Mostra Nacional de Música do Sesc, levando seu show para a cidade do Rio de Janeiro, representando a região centro-oeste.

Fonte: https://www.facebook.com/karola.nunes/  https://www.karolanunes.com

 

 

 


A ossatura do rinoceronte, de Divanize Carbonieri por Gilda Portella

A Editora Patuá e o Patuscada - Livraria, bar & café convidam a todos para o lançamento do livro "A ossatura do rinoceronte", poemas de Divanize Carbonieri. O lançamento do livro será realizado durante a Festa de aniversário de 9 anos da Editora Patuá.
O evento será realizado no dia 15 de fevereiro (sábado) a partir das 19h no Patuscada - Livraria, Bar e Café - Rua Luís Murat, 40 - Vila Madalena - São Paulo - SP
A entrada para o evento é gratuita e o exemplar estará à venda por R$ 40,00 (pagamentos em dinheiro e cartões de débito e crédito).
Leitoras e leitores de qualquer cidade do país que realizarem a compra antes do lançamento receberão o exemplar autografado após o evento. Imperdível!
Link para compra: https://www.editorapatua.com.br/produto/112588/a-ossatura-do-rinoceronte-de-divanize-carbonieri

 Data: Sábado, 15 de fevereiro de 2020 às 19:00 – 22:00

Local: Patuscada - Livraria, bar & café   Rua Luís Murat, 40, 05436-050 São Paulo

Divanize Carbonieri é doutora em letras pela USP e professora de literaturas de língua inglesa na UFMT. É autora dos livros de poesia Entraves (2017), agraciado com o Prêmio Mato Grosso de Literatura, e Grande depósito de bugigangas (2018), selecionado pelo Edital de Fomento à Cultura de Cuiabá/2017, além da coletânea de contos Passagem estreita (no prelo), selecionada pelo Edital Fundo 2019/Cuiabá 300 anos. Foi segunda colocada na categoria conto na edição de 2019 e finalista na categoria poesia nas edições de 2018 e 2019 do Prêmio Off Flip. É uma das editoras da revista literária digital Ruído Manifesto e integra o coletivo Maria Taquara, ligado ao Mulherio das Letras - MT. Site: https://www.divanizecarbonieri.com.br.

Conheça 5 poemas do livro A ossatura do rinoceronte, de Divanize Carbonieri: 

LINHAGEM

 que faziam nossas bisavós com as ideias

que lhes surgiam e da sua ânsia por ciência

as bisavós tinham doze quatorze filhos

e muita faina para fazer utensílios

não conheciam preguiça nem escapadas

muitas delas estavam mesmo escravizadas

sem ter poder de decisão sobre os seus dias

o que foi feito do trabalho daquelas tias

custa se desprender da própria linhagem

mas seccionar os laços é o que tanto urge

nossas avós estão em silêncio neste instante

mal esperando o desfecho que darão as andantes

 ***

 AMARGURA 

a despeito do esforço empreendido

para saturar de silêncio todas as fendas

as farpas impediram o pleno desenlace

friccionaram as palavras a ponto

de implodi-las como feixes de dinamite

miríades de fragmentos emplastraram o ar

que se impregnou imediatamente de amargura

tudo o que é pronunciado permanece

à deriva entre os seus enunciadores

preenchendo a espessura dos afetos

alguns ficam adelgaçados até esgarçarem

outros de tão rotundos rompem em pó

 ***

 ENTULHO

 a força não é mais tanta quanto se precisa

se agiganta o atravancado e aterrissa

na percepção de mais um dia começado

a covardia diante do dever imposto

pelo ditame de instâncias superiores

nem desejo nem ambições maiores

o insano correr das horas para quem tem

funções desafiadoras e não mantém

uma vontade alta para executar as ações

e deseja só adormecer sob as intenções

mas falta muito pouco desta vida agora

para se livrar do entulho que a devora 

***

 REMÉDIO 

o remédio não minora mais a moléstia

persiste a última drágea sem serventia

males maiores sempre serão descobertos

sem que haja tempo para novos acertos

a doença ainda redime muito excesso

a inércia e a dormência causam também o abscesso

vermes comem a adiposidade nociva

acompanhada da massa benigna e viva

a membrana leitosa tampará a visão

logo a persistência trará mais privação

o vate que tem sentidos iluminados

vai olvidar versos e embaçar significados

***

 CARNE 

um da matilha se afasta enquanto palmilha

o rastro da presa que é pega de surpresa

todo o bando passa o dia se empanturrando

ex-canibais preferem entre os animais

o macaco amarelo pois tem paralelo

com outro humano que foi monge franciscano

o gato doméstico fica quase estático

enquanto espreita a rolinha que se deleita

com as migalhas esquecidas entre as palhas

comendo a carne se contamina bem o cerne

a sina inexorável de comer cadáver

triste companhia num antro de agonia

 


O livro Capoeira: da Senzala à Imaterialidade

O livro Capoeira: da Senzala à Imaterialidade: As Vivências dos Mestres e a História da Capoeira em Mato Grosso, da Professora Drª. Adinéia Leme, transcende as fronteiras de Mato Grosso.

Do lançamento até agora, os frutos foram sendo colhidos, com uma ótima aceitação ao longo desses 10 meses, não só pelo segmento da capoeira, mas também por segmentos da educação, cultura e turismo.

Instituições oficiais no estado, reconhecendo essa importante obra, firmaram parcerias para expor a obra em eventos e festas. Diversas viagens pelo interior de Mato Grosso foram realizadas pela autora, a fim de divulgar o livro. A mesma afirma que está valendo à pena, pois pensa que a obra não pertence a ela e sim a todos os que contribuíram direta e indiretamente com a capoeira no estado, no Brasil e no mundo.

E, assim, a obra transcendeu as fronteiras do nosso estado, fortalecendo e divulgando a ideia de reconhecimento da capoeira de Mato Grosso. A Professora Adinéia Leme lembra também, que hoje a obra encontra-se disponível para consulta na Biblioteca do Congresso Americano (Library of Congress), outra relevância foi a divulgação no 30º Simpósio Nacional de História, que ocorreu na Cidade de Recife (PE), em julho de 2019.  Outro ponto crucial para o sucesso e aceitação foi a participação da professora em diversos eventos de capoeira realizados pelos grupos da capital e do interior.

E, para iniciar os trabalhos na divulgação, participação e expansão da obra literária, a autora volta, no início de 2020, à Assunção no Paraguai, agora como Professora Doutora convidada pela Universidade Del Sol, a fim de apresentar o resultado da publicação de sua tese, quando aluna do Doutorado naquele país. Os lançamentos dos livros ocorreram no Hotel Guarani, no dia 18 de janeiro de 2020. 

  

 A saga prazerosa da autora continua. No final de janeiro de 2020, participa como convidada de um importante evento de nível Internacional, o III ENCA MUZENZA na Universidade Federal do Paraná, com o apoio da Faculdade de Educação, evento este que teve como objetivo incentivar a participação dos praticantes do capoeira e áreas afins de atividades de pesquisa, visando complementar sua formação, enriquecendo sua visão literária e incentivar a produção de conhecimento da temática capoeira. 

No decorrer das atividades do III ENCA MUZENZA, foram apresentados trabalhos voltados à pesquisa sobre capoeira, por capoeiristas e pesquisadores do Brasil e de outros países, como Inglaterra e Equador. Estavam presentes vários mestres de capoeira do Brasil e do exterior, filiados daquele grupo e de outros, como os mestres Itapuã (Salvador - BA), Suíno (Goiânia-GO), Cesar (São Paulo - SP), Tigre (Florianópolis-SC), Tony Vargas (Rio de Janeiro-RJ), Burguês (Curitiba-PR), Sanhaço (São Luís – MA), Barrão (Recife-PE), Levi (RJ), dentre tantas outras importantes lideranças da Capoeira regional.

Mestres Cesar, Tigre, Professora Drª. Adinéia e Itapuã - III ENC Muzenza 

O ENCA Muzenza aconteceu no auditório da Faculdade de Educação Física, com presença maciça de vários segmentos. Foram apresentados 17 (dezessete) trabalhos e, dentre eles, CAPOEIRA: DA SENZALA À IMATERIALIDADE, da autora representante Mato Grosso, a Professora Doutora Adinéia Leme. Esteve presente no evento o Presidente da Federação Mato-grossense de Capoeira, Jarbas Sokolowski, que também pertence ao Grupo Muzenza de Capoeira e tem seus trabalhos desenvolvidos na cidade de Sorriso-MT. O presidente da Federação manifestou alegria e parabenizou a representatividade da autora durante esse relevante evento para o segmento de pesquisa da capoeira do estado de Mato Grosso.

Jarbas Sokolowski, Pres. da Federação mato-grossense de Capoeira e Professora Drª. Adinéia

"Estou muito feliz de ter participado desse magnífico e relevante evento, isso mostra que os nossos trabalhos em prol da capoeira estão cada vez mais consistentes e fortalecidos, colhendo os frutos e conhecendo novas pessoas, criando uma rede de amizades ligadas ao mundo da capoeira, expandido o meu sonho, que é divulgar a capoeira de nosso estado, sempre aprendendo mais sobre a capoeira" - disse Adinéia Leme, no encerramento das atividades, em Curitiba.

Momento das premiações.

 

Certificado do III ENCA Muzenza realizado em Curitiba – PR, 30/01/2020.

O trabalho apresentado pela autora ficou entre as 3 (três) obras mais relevantes do encontro, com isso os objetivos foram alcançados, afirma autora. Adinéia Leme é graduada em História pela UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), tem Mestrado e Doutorado em Ciência da Educação pela Universidade San Carlos - Assunção - Paraguai, e é professora da rede pública do Estado de Mato Grosso.

Dentro desse cenário de magia e da arte de fazer amizades, que é algo comum da capoeira, o livro passou a integrar A Casa Acervo de Capoeira do Mestre César de São Paulo.

 

 

 

 

 


Tabuleiro Da Perola Negra

O Tabuleiro da Pérola Negra está sempre em busca de aquilombar, valorizar a cultura regional em especial.

A partir de 15 de fevereiro estaremos atendendo com café da tarde com início as 13:00h até 18:00h.

E para aquilombar em dose dupla, Mariana Borealis e convidados estará conosco Sábado e Domingo no Tabuleiro da Pérola Negra. 

Lembrando que a culinária é com sabor de casa de vó...ancestralidade e o toque da Pérola Negra.

Venha curtir o fim de semana conosco.

O Tabuleiro da Pérola Negra funciona de Sexta a Domingo.

 Horário do café das 13:00h as 18:00h e a noite das 19:00h até 23:00h.

 No domingo temos roda de Samba a partir das 17:30h até 23:00h

 

 

 


Edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios sugere diversas áreas temáticas

O MT Afluentes segue aberto para inscrições até o dia 13 de março e deve contemplar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas

Com inscrições abertas até o dia 13 de março, o edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios, o MT Afluentes, tem por objetivo selecionar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas e áreas temáticas.

As inscrições devem ser realizadas via protocolo na Secretaria de Cultua, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), em Cuiabá, no horário comercial¸ de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Ou ainda, via correios, de acordo com as orientações do EDITAL. Veja o endereço da Secel no serviço, ao final desta matéria.  

Artes Cênicas (teatro, dança e circo), Artes Visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, fotografia, instalação, artesanato), Música, Literatura, Audiovisual e/ou Cinema. Essas são as linguagens sugeridas pelo edital, que vai contemplar projetos voltados às Culturas Populares e Tradicionais, Cultura LGBTQIA, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, Culturas Indígenas, Patrimônio Cultural e Bibliotecas, dentre outras.  

Vale ressaltar que o projeto selecionado deverá ser executado, obrigatoriamente, pelo órgão gestor da cultura no município (Secretaria, Departamento, Coordenadoria Municipal de Cultura), que será o responsável legal pela elaboração e execução do projeto inscrito.

“Este edital é um marco para a nossa gestão, que tem trabalhado com prioridade nas políticas públicas de fomento e valorização das ações e projetos culturais desenvolvidos nos municípios. Defendemos a descentralização dos recursos como uma forma de fortalecer a gestão da cultura e ampliar o acesso às artes e manifestações culturais para a população”, explica Allan Kardec, secretário de Cultura, Esporte e Lazer.

Para facilitar, separamos aqui algumas definições de áreas temáticas sugeridas pelo edital. Além dessas, exeintem outras linhas que serão contemplada pelo MT Afluentes, bem detalhadas no edital. Confira! 

Culturas Populares e Tradicionais

O edital irá contemplar propostas que envolvam um conjunto rico e heterogêneo de expressões simbólicas, econômicas e políticas, constantemente recriadas e dotadas de referências importantes para a construção de identidades locais, regionais ou nacionais por indivíduos, grupos e comunidades, contribuindo para sua continuidade e para a manutenção dinâmica das diferentes identidades culturais.

Cultura LGBTQIA+

Aqui as propostas devem ser relacionadas à promoção das manifestações culturais com temática sobre diversidade sexual e identidade de gênero, que colaborem com a luta por igualdade de direitos, enfrentamento da violência por meio da educação e o incentivo às práticas artístico-culturais realizadas por tais grupos sociais.

Culturas Negras, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

Propostas que favoreçam o reconhecimento de manifestações culturais afro-brasileiras (culturas negras) como ferramenta para o enfrentamento ao preconceito e à discriminação, no sentido de potencializá-las e fomentá-las no processo de construção da sociedade brasileira.

Ainda, propostas que visem a valorização de grupos e comunidades tradicionais de matriz africana que se reconheçam como tais, que possuam formas próprias de organização social, ocupem e usem territórios e recursos naturais como condição para sua produção cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas geradas e transmitidas pela tradição.

Culturas Indígenas

O edital vai contemplar propostas voltadas para o fortalecimento das expressões culturais das populações indígenas em todas as suas formas e modos próprios, contribuindo para o fortalecimento e para a continuidade dinâmica das diferentes identidades étnicas e culturais no Brasil.

A ideia é difundir as expressões das culturas indígenas para além dos limites de suas comunidades de origem.

Territórios e Memória

Propostas que visem, por meio da museologia social, à promoção do patrimônio material e imaterial e que priorizem o reconhecimento, à valorização e à proteção da memória social de grupos, de coletivos, de povos e de comunidades que se diferenciam por características históricas e culturais nos vários territórios.

Bibliotecas

O edital vai contemplar propostas de valorização e fortalecimento das bibliotecas como espaços de convivência e estímulo à leitura, a literatura e a criação e produção cultural.

Serviço

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-0233


Secel publica lista de inscrições habilitadas em edital de Literatura

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) divulgou a lista de inscrições habilitadas e inabilitadas para concorrer ao edital Estevão de Mendonça de Literatura Mato-grossense. A lista está publicada no site da Pasta, e o resultado preliminar cabe recurso. Com 123 projetos inscritos, serão contemplados 30 projetos, com um investimento de R$ 600 mil da Secel.

Conforme prevê o edital, as inscrições foram avaliadas numa primeira fase pela Comissão de Habilitação, que verificou os documentos e requisitos exigidos para participar do processo. Os proponentes que tiveram os projetos inabilitados terão cinco dias para recorrer e apresentar as correções apontadas pela Comissão. Para conferir a lista acesse cultura.mt.gov.br/editais, ou clique AQUI.

O prêmio será dividido entre 15 projetos de literatura, nas categorias poesia, juvenil, infantil, revelação e prosa (inclui romance, conto, crônica, peça teatral e novela) e mais 15 projetos de fomento à leitura (contador de história, mediador de leitura, formação de mediadores e oficina literária).

O edital ainda prevê uma avaliação da comissão técnica de seleção, que será composta por profissionais de reconhecido mérito e competência no meio literário, acadêmico e cultural, com representantes da Secel e de instituições de ensino superior. O resultado final será divulgado em 06 de março de 2020.

Todos as informações referentes ao edital estão publicadas e disponíveis no site www.cultura.mt.gov.br/editais

Serviço:

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-9240/9230

 

 

Dia da Visibilidade Trans - Gilda Portella

A Celebração do Dia da Visibilidade Trans ocorreu  dia 29/01 às 19 h 30 no Cine Teatro contou com apresentação cultural de Sophie e  Hend.

 Teve sessão especial com o filme Bixa Travesty, direção Claúdia Priscilla e Kiko Goifman, produzido em 2019 com duração de 75’. Mediação Raphaely Luz, Luisa Lamar, Sophie Silva e Hend. O dia marca a trocas de vivencias, a garantia a diversidade e o reconhecimento à dignidade da população de transexuais e travestis.  

Reforça a importância de garantir à saúde, efetiva equidade de gênero, e a inserção no mercado de trabalho das pessoas trans.  

"Lupita de Amorim Novais Silva, travesti de 21 anos considero que esse evento foi mais que especial e importante pra ela  e completa." Ver o teatro cheio para assistir um documentário de uma outra travesti tão potente como que é a Linn da Quebrada e conhecer um pouco mais da pluralidade que existe quando falamos de nossas vivências. A experiência de ver que mesmo aos poucos estamos caminhando me motiva a continuar, pois o evento foi organizado e protagonizado por travestis, eu me senti mais que representada, eu pude me ver ali então considerando esse um evento histórico para a população cuiabana. Várias travestis e homens trans, no dia da visibilidade trans e várias pessoas lgb se fizeram presente pra fazer parte desse momento histórico''.

"Lupita Amorim, 21 anos. Graduanda em Ciências Sociais na Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT. Representante de Estudantes Negras e Negros no Conselho de Política de Ações Afirmativas; Integrante do Programa de Extensão: “Ação afirmativa no Ensino superior: articulações de vivências e saberes na UFMT” do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação- NEPRE/UFMT, sob coordenação da Professora Doutora Candida Soares da Costa ; Integrante do Coletivo Negro Universitário.

 

Finaliza nomeando  as e os organizadores desse belíssimo evento que será  eternizado na história do teatro e da sociedade matogrossense "Gostaria de agradecer a todas da organização, Sophie Silva, Luísa Lamar, Raphaelly Luz e Hend Santana e todas as outras pessoas trans que fizeram esse momento ser possível para todas e todos."

 


Museu de História Natural Casa Dom Aquino dobrou número de visitantes em 2019

Na era digital, ir ao museu até parece ser coisa do passado, mas será que é? O Museu de História Natural Casa Dom Aquino é um patrimônio histórico de 177 anos localizado em Cuiabá, que conta a pré-história de Mato Grosso por meio de fósseis e artefatos arqueológicos e vem mostrar que os museus ainda fazem parte do cotidiano da população. Em 2019, o equipamento cultural recebeu 5.607 visitantes de Mato Grosso, outros estados e países.  O número representa um aumento de 102% em relação ao ano de 2018, em que o Museu recebeu 2.778 visitantes.

Os museus têm um importante papel para a sociedade. Eles são capazes de informar e educar com exposições, oficinas, atividades recreativas e até mesmo usando os meios digitais como vídeos e outras opções interativas. São espaços ideais para despertar a curiosidade, estimular a reflexão e o debate, e criar uma conexão entre passado, presente e futuro.

Para a arqueóloga e presidente do Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (ECOSS) – que faz o gerenciamento do museu, Suzana Hirooka, o Museu de História Natural Casa Dom Aquino tem conquistado a preferência das pessoas, em especial da comunidade escolar. Isso porque, ela explica, a visita é uma atividade extra classe que contribui muito para a fixação de conteúdos didáticos como dinossauros, evolução, biologia e meio ambiente, e os professores já colocam dentro das suas atividades anuais essa visita, auxiliando para a formação dos alunos.

Lançamento do projeto Caminhos da Cultura
Créditos: João Felipe | Secel

Em 2019, o Museu de História Natural Casa Dom Aquino recebeu 3.654 estudantes vindos de 94 instituições de Ensino, de várias cidades de Mato Grosso. Entre elas estão Cuiabá, Várzea Grande, Chapada dos Guimarães, Rosário Oeste, Campo Novo dos Parecis, Araputanga, Diamantino e Rondonópolis, além de estudantes de outros estados.

O museu também recebeu a visita de 1.953 turistas de Cuiabá e municípios do interior de Mato Grosso, além de cidades de outros estados, como Maceió (AL), Porto Velho (RO), Recife (PE), Salvador (BA), Dourados (MS), João Pessoa (PB), São Paulo (SP), Goiânia (GO), Brasília (DF). Outro público são os visitantes norte-americanos e canadenses, totalizando 5.607 pessoas durante todo o ano.

Para 2020, o museu está preparando grandes eventos, como o Encontro Indígena, a Primavera dos Museus, oficinas e visitas escolares guiadas que podem ser agendadas pelos telefones (65) 3634-4858 e 3052-8062 ou pelo e-mail [email protected] .

Serviço:

O Museu de História Natural Casa Dom Aquino é um equipamento cultural da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel). Está aberto ao público de quarta a domingo, das 8h às 18h, com ingressos a R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia). Endereço: Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá.


Expectativa de reabertura do Museu Nacional emociona pesquisadores

Equipes trabalham intensamente na busca e restauro de peças do acervo

O bioarqueólogo do Museu Nacional Murilo Bastos diz que é difícil de chorar, mas confessa que “estará em lágrimas de emoção e felicidade” quando o prédio e o acervo da instituição estiverem totalmente recuperados. O prédio e importantes peças de seu acervo foram destruídos em um incêndio em setembro de 2018.

É assim que Bastos resume o empenho dos pesquisadores para recuperar o acervo do espaço cultural, instalado na Quinta da Boa Vista, na zona norte do Rio. Desde a data do acidente, ele se dedica a esse trabalho. “O que a gente mais quer aqui é ver esse prédio e toda a estrutura do museu, linda, como a gente gosta, como o Brasil e a nossa população merecem.”

Em entrevista  à Agência Brasil, ele afirma que, enquanto tiver coisa para tirar, todos estarão ali, com a mesma energia, com a mesma força com que começaram o resgate porque querem ter a certeza de que recuperaram tudo que foi possível.

Bastos mostra-se ansioso pela volta ao funcionamento do Museu Nacional em sua plena capacidade, mas antes disso, destaca que é intenso o trabalho dos pesquisadores para retirar dos escombros o que ainda tem de peças e fragmentos do acervo. “Como profissional, o que posso dizer é sobre a entrega do museu de volta ao público, para exibições, para exposições, e a nossa área de pesquisa, próxima de tudo isso. Vai ser ótimo para todo mundo, vai ter uma sinergia.”

O bioarqueólogo enfatiza que existem vários níveis de dificuldade e que a maior é que ninguém estava acostumado a lidar com o acervo do museu, o material queimado. “Então, é muito difícil identificar as peças, é um desafio constante e um aprendizado de tudo aquilo que já fizemos e tudo que estamos fazendo agora.”

Coleções

 Pesquisadores trabalham na coleta de material de acervo do museu misturado nos escombros do prédio do Museu Nacional incendiado em setembro de 2018
O minucioso trabalho de busca de fragmentos de peças do acervo em meio aos escombros - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os pesquisadores e as equipes de apoio estão empenhados, dia após dia, em recuperar o acervo do museu. Ângela Buarque, que já foi antropóloga da instituiçao e hoje é pesquisadora colaboradora, comanda a equipe responsável pela recuperação de peças e fragmentos da exposição Entre Dois Mundos: Franceses de Paratitou e Tupinambás de Rouen, que mostrava o encontro das populações nativas, que na época eram os Tupinambás da laguna de Araruama, hoje Região dos Lagos do Rio de Janeiro, e os franceses que chegavam no local em busca de pau-brasil e outros produtos.

“É sempre um momento tenso, emocionante quando se encontra, às vezes, uma pequena peça, porque aí se pensa que pelo menos um registro vai ficar. Desde o início de janeiro, estamos aqui e encontramos apenas três minúsculas pecinhas”, conta Ângela.

Segundo a antropóloga, estavam na exposição peças que comprovavam a presença francesa no território. “Nesse momento de coleta, é, principalmente, o material de pequeno porte: miçangas minúsculas, centenas delas, que estavam nas vitrines, derreteram. Hoje estamos à cata desses elementos. Como as miçangas são muito pequenas, usamos uma peneira também pequena.”

Ângela acrescenta que a exposição foi montada para ser temporária, mas acabou se estendendo e já estava aberta à visitação pública há 10 anos, na chamada Sala dos Embaixadores. “Era um material muito significativo e dialogava com este momento [do século 16]”.

Durante as pesquisas que ela fez sobre este período, foram encontradas peças que não faziam parte da exposição e que, por isso, não foram destruídas pelo fogo.”Nós temos um laboratório que funciona no Horto – a maior parte das minhas pesquisas está na Casa de Pedra. A gente ainda tem muita coisa que, em algum momento, pode voltar e fazer parte de uma exposição”, diz a antropóloga. As peças que estavam no museu, porém. Já eram restauradas e se perderam.

De acordo com a antropóloga, esse contato entre os indígenas e os franceses acabou levando um grupo de Tupinambás para Rouen, na França, onde alguns se estabelecera. Outros voltaram para o Brasil.

Egípcia

Uma coleção que está sendo recuperada é a egípcia, muito procurada pelo público antes do incêndio. Marina Buffa Cesar e sua equipe buscam diariamente as peças e pequenos fragmentos de um acervo importante para a humanidade, que ela conhecia bem como pesquisadora. Ela passa os dias peneirando os escombros em busca da recuperação da coleção egípcia. “A gente tem recuperado muita coisa que, em alguns momentos, achava que não fosse recuperar. É emocionante. Tem momentos que a gente tem sorriso no rosto porque está conseguindo salvar muita coisa do Museu Nacional. Para mim, é gratificante.”

A coleção egípcia era uma exposição permanente do Museu Nacional, e a perspectiva é que retorne quando o espaço for reaberto. “Temos material que não é relacionado apenas às múmias, mas também aos shabtis e [peças] de bronze que eram únicos e estão sendo recuperados. Vamos trazer de volta para a sociedade tanto acadêmica, quanto para o pessoal que gosta de visitar o Museu Nacional”, acrescenta Marina.

O bioantropólogo Murilo Bastos destaca que os pesquisadores trabalham em uma grande rede de apoio entre eles. “Tem dia que um está mais triste que o outro, mas todos estão juntos para trabalhar e dar conta do serviço.”
Segundo Bastos, todos os dias eles lembram um pouco do que aconteceu. “A gente conhecia o prédio antes, os lugares, as salas. Quando entra, lembra como era e vê como ficou. Ao mesmo tempo, vem a imagem do incêndio, mas também a nossa cabeça meio se acostuma com aquilo para se adaptar e ter forças para continuar”, conclui.


Workshop -Oficina Teatral 08 de FEVEREIRO às 08:00 - Gilda Portella

Workshop -Oficina Teatral 08 de FEVEREIRO às 08:00

O objetivo desse workshop é difundir a arte da representação cênica e apresentar um método de interpretação através da imaginação profunda e autoconhecimento, levando aos participantes em exercícios práticos do teatro e interpretação para câmera, expandindo o olhar para a técnica da interpretação. 

O trabalho será desenvolvido com exercícios de grupo, noções básicas de palco, interpretação para câmera, exercícios de expressão corporal, jogos de cena exercícios de dicção e desinibição, jogos dramáticos. É voltado para aqueles que almejam seguir a carreira de ator, e também, para todos aqueles que queiram melhorar seu desempenho nos estudos e na vida profissional, afetiva e social como um todo. 

As aulas serão conduzidas de uma forma livre e dinâmica, onde o participante libera suas potencialidades, intelectuais e físicas, através dos exercícios propostos. 

Ministrante

Junior Antunes natural de São Paulo tem 34 anos, é arte educador, palhaço, contador de histórias, palestrante, formado em arte e desenvolvimento humano pela Carpintaria do Ator em São Paulo, já ministrou diversas oficinas entre elas, teatro, palhaçaria, concorreu como melhor ator dramático no I Rio Web Festival Internacional realizado no Rio de Janeiro entre trabalhos de destaque está a publicidade Whisky Chivas "O Valor de Uma Amizade" onde alcançou mais de 1 milhão de visualizações.

 Para inscrição envie mensagem para o contato 65 99242-8215

Somente 25 vagas 

Local: Ponto de Cultura Em Cena

Investimento: 20,00 (valor simbólico)

 

Mais informações 

(65) 99242-8215

 


ESTÃO ABERTAS AS MATRÍCULAS PARA A ESCOLA DE MÚSICA DE CAMPO VERDE - Gilda Portella

Ponto de Cultura

ESTÃO ABERTAS AS MATRÍCULAS PARA A ESCOLA DE MÚSICA DE CAMPO VERDE

 INSCRIÇÕES ATÉ O DIA 07 DE FEVEREIRO

 

A Escola de Música de Campo Verde oferece 17 modalidades em formação musical totalmente gratuitas às crianças a partir dos 2 anos de idade, jovens e adultos, preferencialmente pessoas de famílias em situação de risco social.

O estudo de música (erudita e popular) é ofertado em módulos de trabalhos organizados pedagogicamente nas áreas de musicalização e prática instrumental, nas modalidades de: Coral (infanto, juvenil e adultos); Violão (popular e erudito); Cordas friccionadas (violino, violoncelo, viola clássica e contra baixo); Musicalização (iniciação musical); Sopros/madeiras(clarinete, flauta transversal, saxofone alto e tenor); Sopros/metais (trombone e trompete); e Percussão (baterias), estudos da teoria e prática.

Os interessados devem procurar a secretaria da Escola de Música (Avenida Florianópolis 197, Centro, em frente aos Correios) munidos de RG e CPF do responsável e do aluno (ou certidão de nascimento) e comprovante de residência.

A Escola de Música de Campo Verde também oferece aos músicos que já tocam algum instrumento orquestral a possibilidade de compor a Orquestra Jovem de Campo Verde e desenvolver repertório erudito e popular. Os ensaios da Orquestra são realizados em período noturno e finais de semana.

A Escola de Música de Campo Verde é gerida pelo Ponto de Cultura Instituto Germinando Sons — uma associação civil sem fins lucrativos, reconhecida como organização de interesse público, criada para desenvolver ações de fomentos nas áreas de educação e cultura, que utiliza o ensino de música como ferramenta de cidadania.

Local: Escola de Música de Campo Verde

Serviço: curso de musicalização e prática instrumental

Data de inscrições: até 07 de fevereiro de 2020

Endereço: av. Florianópolis 197, Centro, em frente aos Correios

Informação: 66 3419 3765 ou 66 98414 2981


Veículos novos serão utilizados na regularização fundiária do interior

Cinco novos veículos vão reforçar as ações de regularização fundiária executadas pelo Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), e pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). As caminhonetes locadas com recursos do Programa Terra a Limpo foram entregues na manhã desta quarta-feira (22.01), no Palácio Paiaguás. 

Conforme o presidente do Intermat, Francisco Serafim, os veículos são apenas uma parte do que o governo pretende investir para regularizar as áreas de domínio público, sejam elas federais, ou do Estado. 

“Com essa medida estamos dando condições para o trabalho. Estamos concedendo também combustível, óleo diesel, para as caminhonetes, e diárias para os técnicos do Incra realizarem este serviço. Estamos ajudando o cidadão mato-grossense do interior, já que um dos maiores problemas sociais do estado é a falta de regularização”, explica o presidente. 

Quatro caminhonetes entregues são do modelo Amarock, com tração 4x4, e uma delas do modelo Chevrolet S10, todas com manutenção preventiva e corretiva adequadas para trânsito em áreas de difícil acesso, como assentamentos e glebas rurais do interior do estado. O investimento na locação é de R$ 243 mil, em um contrato de 12 meses de atividade. 

“Mais que os veículos, são os custos e as diárias para os técnicos do Incra que deverão correr todo o estado de Mato Grosso, com o único objetivo de beneficiar as pessoas que estão há muitos anos aguardando a sua regularização e até hoje não conseguiram. Isso foi apenas o início. Queremos limpar a fila de espera de títulos, e deixar esta pauta zerada nesta gestão”, afirma o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho.

Representando a bancada federal, o deputado federal Nelson Barbudo, elogiou a destinação dos recursos para estruturar os órgãos responsáveis pela política fundiária. “Quero agradecer ao governador, e ao pessoal que trabalhou incansavelmente para obter esse recurso, estamos dando continuidade a um trabalho. A celeridade é o mais importante. Precisamos que este recurso ajude a dar rapidez a nossa tão sonhada reforma fundiária”.

Conforme o superintendente do Incra de Mato Grosso, Ivanildo Teixeira, são beneficiados pelos recursos do Terra a Limpo mais de 180 assentamentos do interior do estado. “É um recurso que chegou em boa hora, a frota do Incra é antiga, o que não nos possibilita andar grandes distâncias. Os veículos serão utilizados tanto para a fiscalização do georreferenciamento, bem como vistoria para titulação dos assentados”, conta.

Terra a Limpo
O programa prevê um investimento de R$72,9 milhões em Mato Grosso, com o objetivo central de promover a resolução de conflitos, e a segurança jurídica pela posse da terra, beneficiando famílias de agricultores de 87 municípios.

O programa foi instituído pelo Decreto nº 1.560, de 29 de junho de 2018, sob a coordenação central da Casa Civil, com a implementação da política fundiária no estado realizada pelo Intermat, em parceria de diversos órgãos estaduais.


Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz - por Gilda Portella

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

 André Gorayeb - O GORA, artista de um talento nato, desde os primeiros rabiscos da infância já encantava pelos traços firmes e riquezas de detalhes.

O Gora, Ama o que faz e imprime nos seus desenhos,  grafites e telas uma intensidade de traços, cores, vida, paixão,  leveza, realidade, que surpreendem aos olhos humanos, uma visão do que está além, mas que certamente poderão sentir.

 Pincela a vida e suas perspectivas, retratando no subjetivo, o que seria o belo, o certo e suas oposições.

 O GORA tem uma alma leve, amável,  apaixonada, uma visão do que está além da mediocridade do cotidiano.

Em contraponto a fluidez da criatividade de Gora, Rodolfo Luiz em sua arte estática, nos mostra alem do que os olhos vêem na dinâmica do cotidiano apressado.

Suas imagens nos levam para outro nível de percepção da realidade, alem do meramente visual, nos faz viajar em sua sensibilidade para captar a beleza que estar além do simples olhar. Assim temos neste bazar de artes à leveza do fluir e a força da percepção que se materializa na memória do observador. Tal como uma bela paisagem onde o fluir das águas nos faz percebe a mesma beleza das pedras imóveis que perante as águas ficam mais belas.   

No dia do bazar o artista Andre Gorayeb ressalta que: “será vendidos os quadros da nossa exposição de fotografias com ilustração, desenhos originais de nanquim, lápis de cor e giz, prints em papel especial e fotografias”

Vale à pena conferir:

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

Data: 25/01

Horário: 14 às 20 h

Local: Rua das Palmeiras, 316, Baú Cuiabá/MT

 


A leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” - Gilda Portella

Eduardo Batukka convida você a mergulhar na poesia de Emily Dickinson. Dia 27 de janeiro no Gabinete Antes do Café (@gabineteantesdocafe) às 20 horas, ele apresenta a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco”, que contará ainda com trilha sonora original de João Reis (@musicadereis).

Emily Dickinson (1830-1886) é o primeiro exemplo de poetisa da privacidade, da solidão, como sua própria poesia descreveu "A Alma seleciona sua própria Sociedade. E depois fecha a porta...". Apesar da maioria de seus poemas só terem sido encontrados após sua morte, trancafiados em baús em seu quarto, Dickinson inaugurou um novo estilo poético, aberto a muitas possibilidades de interpretação.

Para a performance, foram separados em meio à vasta obra de Emily Dickinson alguns poemas e cartas. As cartas trocadas por ela com outras pessoas servirão de esteio cronológico e biográfico, para tecer uma narrativa epistolar acerca da vida e da obra da poetisa. Venha se assombrar com a Arte de Dickinson.

Observação: não venha de branco. Faça sua pré-reserva para a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” dia 21 de janeiro (segunda-feira) às 20h no Gabinete Antes do Café (Rua 24 de Outubro, 566, Galeria Vila Maria, Cuiabá-MT). As cadeiras são limitadas. O valor do couvert artístico sugerido é R$20 reais. confirme sua reserva no telefone 65- 99261-9334.

Juliana Albernaz, sócia proprietária do Gabinete antes do café,   define a casa: “E um espaço de arte, café, música, poesia e chapéus”. O que dá charme e magia ao local complementa “e o cantinho do mundo, pois há história e estórias pra todo lado’’. Finaliza revelando o mistério da leveza e alegria do local “além da boa comida, shows intimistas  de jazz, blues, bossa, há uma galeria de arte com artistas do estado e de fora.”

A  galeria Vila Maria fica na  rua  24 de outubro, n. º 566.


Retábulos da igreja demolida em 1968 são destaque do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso

Um dos mais tradicionais museus do Estado, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (MASMT), reaberto há um ano, localizado ao lado da Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho, guarda um dos mais extraordinários tesouros da história de Cuiabá. Estamos falando de uma das últimas lembranças materiais da Cuiabá colonial.  

A reinauguração do museu, logo no início da gestão Mauro Mendes, trouxe a luz uma ala inteiramente dedicada aos retábulos da antiga Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá, demolida em 1968, a primeira igreja colonial construída no Estado. São dois altares originais, remanescentes dos séculos 18 e 19, completamente reestruturados.  

Os retábulos retirados da igreja implodida possuem 8 metros de altura cada, um neoclássico e outro barroco rococó, e estão montados um de frete para o outro, exatamente como estavam organizados originalmente na antiga Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá, antes de ser demolida.

Além dos retábulos, a mesa do altar neoclássico está montada com crucifixos e tocheiros utilizados à época e compõe a exposição. A nova ala dos retábulos foi pensada para tentar reproduzir o ambiente original ao qual pertenceram no passado. Uma verdadeira máquina do tempo!  

O processo de pesquisa

Arquivo Público MT

Remontar os antigos retábulos da Catedral não foi uma tarefa das mais fáceis. O trabalho que envolveu muita pesquisa e precisão foi realizado por quase quinze anos, orquestrado pela coordenadora do MASMT, Viviene Lozi com a colaboração de diversos profissionais da área.

“Organizamos peça por peça e calculamos tudo, pesos e medidas. Os retábulos são montados em blocos estruturais, tendo sempre como referências fotografias e registros documentais, para que pudéssemos fazer a identificação e reintegração das partes faltantes. Um verdadeiro quebra-cabeça de grandes proporções que ocupa uma área de 145 m²”, explica a coordenadora.

Viviene Lozi ressalta ainda que sem a colaboração de outras instituições parceiras, o trabalho não seria possível, pois sem as fotografias dos Acervos do Museu da Imagem e do Som de Cuiabá (MISC), Arquidiocesana de Cuiabá (Mitra), Arquivo Público e o processo de tombamento do Iphan não seria possível identificar os retábulos e remontá-los.  

O trabalho realizado pelo Museu de Arte Sacra de Mato Grosso inclui reintegração das partes faltantes, higienização, descupinização, identificação, catalogação, pesagem e, por fim, montagem de cada um deles.

Após muita pesquisa, os retábulos finalmente foram montados na vertical, apoiados em estruturas autoportantes, projetadas para que não causassem nenhum impacto na edificação. Trata-se de uma estrutura com um pé direito de 12 metros de altura, lançada do térreo ao primeiro piso, para segurar os enormes retábulos, que não encostam nas paredes.

“Um projeto inovador no Brasil, remontar em grande escala, altares de uma igreja, organizados em uma nova edificação, numa área muito grande, dentro de um prédio tombado era nosso grande desafio e felizmente deu certo”, comemora Viviene.

Repondo peças

Protásio de Morais

Por décadas, os antigos altares retirados da catedral demolida ficaram esquecido e muito maltratados pela ação do tempo. E é claro que muitas partes se perderam com o passar dos anos.

Logo no início do processo que culminaria na remontagem dos monumentos, os profissionais envolvidos no projeto notaram, baseando-se em fotos antigas, que os retábulos não estavam completos.

A solução foi refazer algumas partes para completar a montagem. É aí que entra o trabalho do artista plástico, escultor e restaurador Ariston de Souza, que refez com precisão as partes faltantes, para recompor os monumentos.

“Não se pode recuperar uma peça ou refazê-la do zero sem uma boa referência de imagem, no caso a fotografia, seguindo sempre todas as normas da Carta de Veneza que dita os princípios da restauração”, revela Ariston.   

Além das peças faltantes, os altares estavam com cores alteradas, pintados, erroneamente de branco com tinta PVA, sem nenhum critério. Então, como parte da recuperação dos retábulos, foi feito um trabalho de prospecção para encontrar as cores originais, marmorizado de vermelho e azul com partes douradas.

A montagem

Arquivo Público MT

Um dos processos mais difíceis da reestruturação dos altares da antiga catedral foi a montagem. Primeiro eles foram organizados no chão, para que os profissionais da área pudessem separar as peças certas de cada um deles.

Depois, foram montados em pé, agora nas estruturas autoportantes que dão sustentação aos monumentos sem prejudicar o prédio histórico do Seminário da Conceição.  

“A maior dificuldade foi identificar cada peça a partir de referências fotográficas da época. As peças estavam muito misturadas e, além disso, faltavam muitas partes. Um tremendo quebra-cabeças com alto grau de dificuldade”, relembra Paulo Henrique Krukoski, cenotécnico responsável pela montagem dos altares.

Em menos de dois meses, no entanto, os altares estavam montados, esperando para receber as peças faltantes que seriam entalhadas pelo mestre Ariston. Hoje, o cidadão pode apreciar os belos monumentos que contam um pouco da história da capital, no caso, a polêmica demolição da antiga Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá.   

O papel do Iphan

Arquivo Público 2

Os altares e alguns objetos litúrgicos. Isso foi tudo que restou da primeira Igreja Colonial construída em Mato Grosso. Mais do que o envolvimento na recuperação dos retábulos, o Iphan tem o importante papel de reconhecimento e preservação do patrimônio cultural.

“O tombamento dos retábulos veio como uma forma de corrigir um erro do passado, a demolição da antiga catedral. Esse é um importante vínculo material que temos hoje com o passado da cidade”, explica Marina Lacerda, coordenadora de Registro do Iphan.

Preservar o bem cultural e conscientizar a sociedade a respeito da importância da preservação do patrimônio. Esse é o papel do Iphan. Ao que tudo indica, nosso passado está em boas mãos. Visite os museus!

Serviço

Tema: Altares da antiga Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá estão expostos no Museu de Arte Sacra de Mato Grosso

Quem pode visitar: Livre para todas as idades

Local: O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso fica na Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Funciona de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. 

Outras informações: (65) 3646-9101


Festival de lambadão tem inscrições abertas

Abril será o mês do lambadão! O gênero musical que nasceu na década de 1990 na Baixada Cuiabana e que conquista adeptos a cada dia acaba de ganhar mais uma plataforma para o seu fortalecimento. É o Festival de Lambadão que ocorre por três fins de semana entre os dias 3 e 19 de abril, respectivamente. Começa em Cuiabá, no Colônia Show Bar (03 e 04.04), depois segue para Varzea Grande, no Atlântico (11 e 12.04), e reserva a grande final para a cidade de Poconé, no CCR (18 e 19.04). 

O festival que celebra o “Rei do Lambadão” vai premiar bandas e dançarinos com o Troféu Chico Gil e valores em dinheiro. Fora a consagração do público e jurados, bandas e dançarinos também terão ajuda de custo para participar do evento. As inscrições estão abertas até o dia 31 de janeiro e devem ser feitas no site oficial da Associação Mato-grossense de Cultura, que é realizadora do evento.

A seleção das 16 bandas que competirão no festival será feita por uma curadoria especializada. Dessas, três serão eleitas as melhores via voto popular pela internet – em enquete publicada na página oficial do evento no Facebook – e os 15 casais de dança serão escolhidos por um júri técnico.

O músico e pesquisador Levi Barros, que também é o presidente da AMC, ressalta que não há qualquer limitação de gênero na formação dos pares de dança: “pode ser mulher com homem, homem com homem, mulher com mulher. O importante é gostar de dançar lambadão e dar um show de passos para a plateia”.

 

Inscrições

Para os casais de dançarinos, as inscrições podem ser feitas via link específico do site da AMC (http://amcmt.org.br/inscricao-danca/). É preciso fazer upload no sistema, com três fotos de divulgação do casal em boa resolução, link do vídeo do casal dançando e link da música de aquecimento que vai ser alvo da avaliação neste primeiro momento.

Já para as bandas, no link reservado à inscrição (http://amcmt.org.br/inscricao-de-bandas/) é necessário fazer upload de foto de divulgação em boa resolução, acrescentar biografia ou breve release e repertório autoral da banda com no máximo uma hora de músicas, listando o nome de cada uma delas, o tempo e nome dos compositores. Por fim, deve ser anexada ainda a música de trabalho escolhida para compor o CD do Festival. É preciso enviar o link do vídeo da música em questão.

Premiação

Levando em consideração o histórico de eventos do lambadão, o realizador do evento, Levi Barros, avalia que esta é certamente a maior premiação da história que o seguimento já teve, com prêmio aproximado em R$ 20 mil reais mais troféus.

A banda escolhida pelo público para ganhar o primeiro lugar vai faturar prêmio de R$ 3 mil, gravação de um EP com três faixas em estúdio, gravação de videoclipe em estúdio, fotos profissionais em estúdio, 1 microfone profissional com fio, 1 jogo de peles de bateria, 2 jogos de cordas para contrabaixo, 2 jogos de cordas para guitarra, 3 pares de baquetas e 3 suportes para instrumento e roupas novas para todos os integrantes. A música da banda vencedora também será usada como trilha sonora da divulgação da próxima edição do evento, além é claro, do Troféu Chico Gil.

Já a segunda colocada ganhará R$ 2 mil mais a gravação de um EP com duas faixas; fotos profissionais em estúdio, 1 microfone profissional com fio, 1 jogo de cordas para contrabaixo, 1 jogo de cordas para guitarra, 2 pares de baquetas e 1 suporte para instrumento, roupas novas e troféu.

O prêmio será de R$ 1 mil para a terceira colocada e a banda ganhará também a gravação de um single, 1 microfone profissional com fio, 1 par de baquetas e 1 suporte para instrumento e roupas novas para todos os integrantes, além do troféu.

“A primeira colocada ainda poderá ter como parte da premiação, sua música tocada nas rádios comerciais, estatais, web rádios e rádios comunitárias de todo Estado de Mato Grosso que aderirem e assimilarem a nossa proposta”, ressalta Levi.

Já no caso dos dançarinos, o casal que for escolhido pelo júri vai faturar R$ 1.500; o segundo colocado R$ 1.000 e o terceiro R$ 500.

“Vale ressaltar, a cadeia produtiva do lambadão é altamente independente e há anos tem se fortalecido por conta de seus próprios esforços, o que desejamos com este festival é que seus agentes ganhem um impulso”, explica o organizador. 

O lambadão é fruto de uma indústria fonográfica da música popular baseada em sistemas não-oficias de produção e comércio.

“Não basta apenas reconhecer que é patrimônio cultural. O lambadão também precisa de investimentos e esse festival é uma grande chance para os músicos tocarem em um palco grande, com som e iluminação de qualidade, camarim, toda a atenção especial que os músicos e dançarinos do lambadão merecem”, destaca.

O Festival é viabilizado graças ao termo de fomento nº 0428-2019 da Secretaria de Esportes, Cultura e Lazer (Secel-MT) via emenda parlamentar do deputado Dilmar Dal Bosco. Para a realização de seis edições com condições mínimas de profissionalismo, o valor direcionado é de R$ 363.173. O Festival de Lambadão é uma idealização da AMC em parceria com o Instituto Case. 

O Lambadão

O lambadão surgiu em meados de 1990 na baixada cuiabana, especialmente, graças à força de pioneiros em Poconé e Rosário Oeste e rapidamente se projetou por Cuiabá e Várzea Grande. O ritmo ganhou destaque nacional com a música "Ei amigo", de Chico Gil, cantor e compositor que recebeu o título de Rei do Lambadão.

Segundo pesquisadores, o lambadão é uma música híbrida, que resulta da fusão entre a lambada paraense, o ritmo regional rasqueado e o gênero de origem indígena, carimbó.

A história começa com os garimpeiros que foram em busca da promessa do ouro nos anos 1970 e 1980 rumo ao Pará e, dada a escassez do minério, voltaram e por aqui se estabeleceram, especialmente em cidades ribeirinhas como Cuiabá, Rosário Oeste, Poconé e Várzea Grande. Logo o rasqueado foi adicionado a essas influências, originando um ritmo que não se pode ouvir sem reagir.

Entre os pares – que podem ser de homem com mulher, de mulher com mulher e homem com homem – não tem espaço para preconceito, tem gente de físico e talentos diversos. 


MAPEAMENTO DA MEMÓRIA INDÍGENA - Gilda Portella

Mekukradjá – Círculo de Saberes é realizado pelo Itaú Cultural e reúne debates e exibições audiovisuais para discutir a resistência dos indígenas no Brasil contemporâneo. Tradição, renovação, cultura e política são temas abordados. Este mapeamento exibe a abrangência dessas conversas.

No mundo, são 5 mil povos indígenas, o que abrange 370 milhões de habitantes. No Brasil – que em 1500 contava com uma população autóctone estimada em 3 milhões – são listados 254 povos, com 896.917 pessoas e mais de 150 dialetos

Apresentado por Daniel Munduruku, o podcast Mekukradjá enfoca as vivências e as preocupações sociais, culturais, políticas e artísticas dos vários povos indígenas do Brasil.

Coluna em vídeo assinada por Daniel Munduruku apresentou questões indígenas

https://www.itaucultural.org.br/secoes/colunistas/poranduba

 Saiba mais aqui sobre o Mekukradjá aqui

https://www.itaucultural.org.br/sites/mekukradja/

Ouça todos os episódios já disponíveis clicando nos links abaixo ou em aplicativos especializados, como o Spotify ou o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

  1. Célia Xakriabá https://www.itaucultural.org.br/celia-xakriaba-mekukradja
  2. Davi Guarani  https://www.itaucultural.org.br/davi-guarani-mekukradja
  3. Fernanda Kaingáng https://www.itaucultural.org.br/fernanda-kaingang-mekukradja
  4. Tonico Benites https://www.itaucultural.org.br/fernanda-kaingang-mekukradja
  5. Ajuru Pataxó https://www.itaucultural.org.br/ajuru-pataxo-mekukradja
  6. Anápuáka Tupinambá https://www.itaucultural.org.br/anapuaka-tupinamba-mekukradja
  7. Severiá Idioriê https://www.itaucultural.org.br/severia-idiorie-mekukradja
  8. Marcos Terena https://www.itaucultural.org.br/marcos-terena-mekukradja
  9. Johnn Nara Gomes https://www.itaucultural.org.br/johnn-nara-gomes-mekukradja
  10. Genito Gomes https://www.itaucultural.org.br/genito-gomes-mekukradja
  11. .Daiara Tukano  https://www.itaucultural.org.br/secoes/podcasts/daiara-tukano-mekukradja
  12. Larissa Duarte https://www.itaucultural.org.br/larissa-duarte-mekukradja
  13.  Kamikia Kisedje https://www.itaucultural.org.br/kamikia-kisedje-mekukradja
  14. Darlene Taukane https://www.itaucultural.org.br/darlene-taukane-mekukradja
  15. Graça Graúna https://www.itaucultural.org.br/graca-grauna-mekukradja
  16. Edson Kayapó https://www.itaucultural.org.br/edson-kayapo-mekukradja
  17. Sandra Benites https://www.itaucultural.org.br/sandra-benites-mekukradja
  18. Taquari Pataxó  https://www.itaucultural.org.br/secoes/podcasts/taquari-pataxo-mekukradja
  19. Naine Terena  https://www.itaucultural.org.br/secoes/podcasts/naine-terena-mekukradja
  20. Anari Pataxó https://www.itaucultural.org.br/anari-pataxo-mekukradja

 

 Convidamos você para escutar mais um episódio da série de podcast Mekukradjá!

 A doutora em educação e autora do projeto Territórios Criativos Indígenas, Naine Terena, fala da cultura e do desenvolvimento da economia criativa indígena.

Escute já: http://bit.ly/2uFyvoo

 Doutora em educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), Naine Terena é autora do projeto Territórios Criativos Indígenas, do antigo Ministério da Cultura e da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que visa ao desenvolvimento da economia criativa entre quatro povos indígenas do estado. Este depoimento foi gravado em 2017.

Saiba mais sobre Naine Terena no Mapeamento do Mekukradjá.  

https://www.itaucultural.org.br/sites/mekukradja/?location=naineterena%C2%A0

 Coluna em vídeo assinada por Daniel Munduruku apresentou questões indígenas

https://www.itaucultural.org.br/secoes/colunistas/poranduba

 Saiba mais aqui sobre o Mekukradjá aqui 

https://www.itaucultural.org.br/sites/mekukradja/

 Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Mekukradjá aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify ou o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

 


Chapeuzinho Vermelho - O Musical é apresentado no Cine Teatro em Cuiabá - Gilda Portella

Chapeuzinho Vermelho - O Musical é apresentado no Cine Teatro em Cuiabá

Clássico infantil ganha nova e divertida versão apresentada pelo grupo Teatro Imagem.  

O capuz vermelho, a cesta de doces, a Vovó e o Lobo Mau pela floresta são elementos inconfundíveis do clássico conto da Chapeuzinho Vermelho. A história que todos já ouviram na infância ganha uma adaptação produzida e realizada pelo Grupo Teatro Imagem com muita aventura, diversão e trilha sonora inédita.

Chapeuzinho Vermelho - O Musical será  apresentado no Cine Teatro Cuiabá, no dia 01/02, às 19h30h. A peça tem duração de 60 minutos e classificação livre. 

Os ingressos têm valor de R$ 30 (meia e antecipado) e podem ser adquiridos na bilheteria do Cine Teatro, em horário comercial.

Na história, Chapeuzinho e seus amigos se aventuram na floresta do vilarejo à procura de um dramático Lobo Mau que ronda o lugar e assusta os moradores. A saga conta ainda com a ajuda especial de uma Vovó nada comum.

Além de toda a diversão e humor, o resultado da adaptação traz lições e valores importantes para os dias atuais. No desenrolar, são abordados de forma leve temas como amizade, compaixão, lealdade e o cuidado com a natureza.

Para Jaqueline Roque, diretora geral, "trazer uma abordagem atualizada de um conto clássico acaba gerando nas crianças e no público em geral uma proximidade com suas vivências reais. É incrível ouvir o feedback do público sobre como se enxergam nos papéis das personagens, seus conflitos e desejos. Sem dúvida, um espetáculo que agrada toda família".

No elenco do espetáculo estão os atores Juan Soares,  Santiago Santos, Thiago Fernandes, Gaby Proença, Caroliny Belo, Ludy Cinthia, Chrys Araujo, Matheus Amorim, Watila Fernando e Duda Dal Bello. 

O grupo também é composto por Xico Macedo (iluminação); Thiago Amorim (sonoplastia); Chrys Araujo e Ivy Costa (cenário e figurino) e participações de Henrique Ferreira, Queila Ribeiro e Cristopher Chaves.

Trilha sonora original

Chapeuzinho Vermelho - O Musical tem trilha sonora original composta pelo cantor e compositor cuiabano Cristopher Chaves.  As canções embalam as aventuras da personagem principal de seus amigos. As músicas também estão disponíveis para acesso nas plataformas digitais. 

Chapeuzinho Vermelho - O Musical

 

Quando: 01/02 (sábado)

Onde: Cine Teatro Cuiabá - Avenida Getúlio Vargas, 247, Centro.

Horário: 19h30

Classificação: Livre

Ingressos: R$ 30 (meia e antecipado)

Disponíveis na bilheteria do Cine Teatro ou pelo site 

https://www.guicheweb.com.br/evento/13699 

Mais informações nas redes sociais do grupo (@teatroimagem) ou pelos telefones (65) 99228 2645 e (65) 99272 3852.


PONTO DE CULTURA INSCRIÇÕES GRATUITAS PARA OFICINAS 2020 - Gilda Portella

O Ponto de Cultura Flor de Atalaia está com OFICINAS de dança, arte e cultura, todas gratuitas!!!

 Participe!!!.

Acesse o link para fazer a sua inscrição:

 https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf1StKahQ9INsyimz2Yu9cY9r4AaNs7s1LUzHBkSK2u85qTWg/viewform?vc=0&c=0&w=1

 

 

 

Se você gosta de dançar Siriri não perca essa oportunidade de participar gratuitamente.

Faça a sua inscrição acessando: https://forms.gle/2vxGoW4GEwX8Dbfs7

 


Página 1 / 6

Próximo »

Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.